Homenagens a Dustin Hoffman e Tommy Lee Jones marcam final de San Sebastián

Festival de cinema na Espanha terá encerramento neste sábado; em dias distintos, atores comentaram sobre seu trabalho também como cineastas

iG São Paulo com AFP |

O ator norte-americano Dustin Hoffman encerra neste sábado (29) a 60ª edição do Festival de San Sebastián, na Espanha, quando receberá o Prêmio Donostia pelo conjunto de sua carreira. Ele é a quinta pessoa a ser homenageada pelo evento, depois de Tommy Lee Jones, Ewan McGregor , John Travolta e Oliver Stone .

Aos 75 anos, Hoffman mostra no festival sua estreia na direção, "Quartet", exibido recentemente em Toronto . O ator recebeu a imprensa sorridente e bem humorado, ao lado do ator Billy Connolly, um dos intérpretes do filme.

Siga o iG Cultura no Twitter

"Queria dirigir já fazem muitos anos", disse ele, explicando que não se arriscou antes porque não se sentia preparado. A primeira tentativa atrás da câmeras aconteceu no final dos anos 1970, com "Straight time", no qual acabou apenas atuando. "São demônios interiores que te impedem de fazer algo. Mas foi um grande prazer dirigir ('Quarter'). Talvez tenha sido a melhor experiência que tive no cinema."

"Quartet" adapta a peça de mesmo nome de Ronald Harwood, sobre um grupo de músicos e cantores de ópera aposentados que vivem num lar para idosos. A preparação de uma festa é o pretexto para explorar as relações entre os personagens e a vontade de viver sua arte, apesar do passar dos anos.

Leia também:  Dustin Hoffman recebe elogios por "Quartet", sua estreia como diretor

"Foram extraordinários", comentou Hoffman, referindo-se aos cantores de ópera de verdade que participam no filme. "A única coisa que quis fazer era que cada ator se sentisse à vontade", disse ele, afirmando que em sua estreia como diretor tentou evitar os erros que viu outros cineastas com que trabalhou cometeram.

EFE
Tommy Lee Jones admira o Prêmio Donastia

Tommy Lee Jones

Na sexta-feira, foi a vez de Tommy Lee Jones, 66 anos, receber a homenagem em San Sebastián. O ator, que acompanhoi a projeção de "Um Divã para Dois" , também fez referência a suas experiências como diretor. "Fico feliz quando tenho a oportunidade de ser diretor", disse, acrescentando que os três filmes que dirigiu fazem parte dos "melhores momentos de sua vida".

Lee Jones estreou na direção com "The Good Old Boys", telefime de 1995, seguido, em 2005, por "Três Enterros", que levou os prêmios de melhor ator e roteiro no Festival de Cannes. Posteriormente, assinou "The Sunset Limited", outro filme para tv.

"Em 25 de março começo a rodar um novo filme no México. Sempre é um mundo novo quando pego a câmera, a levo para fora e conto uma história", assegurou ele, referindo-se a "The Homesman", com o qual revisitará o gênero faroeste e falará dos pioneiros do oeste norte-americano.

A carreira de Tommy Lee Jones teve um salto imenso graças a seu papel ao lado de Harrison Ford em "O Fugitivo", pelo qual ganhou um Oscar de melhor ator coadjuvante em 1993. "Esse papel foi muito importante porque me diverti muito e ganhei um prêmio", brincou o ator.

Apesar de já ter trabalhado com diretores do porte de Steven Spielberg, irmãos Coen ou Clint Eastwood, diz que não tem preferência especial por ninguém. Da mesma maneira, afirmou que jamais se arrependeu de nenhum papel.

"Não tenho um papel do qual me orgulhe mais do que outro. Estive em bons filmes e outros que foram ruins, mas acho que isso acontece com todo mundo. A única coisa que sei é que adoro ser ator e me divirto toda fez que faço um filme."

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG