"Os Mercenários 2" é maior, melhor e mais engraçado do que o filme anterior

Nova aventura tem no elenco Sylvester Stallone, Arnold Schwarzenegger, Bruce Willis, Chuck Norris e Jean-Claude Van Damme

Thiago Ney - iG São Paulo | - Atualizada às

As piadas são mais engraçadas. As cenas de ação são melhores. A direção é mais segura. O roteiro é mais bem resolvido. Conta com maior número de astros. E até seu orçamento é mais robusto. "Os Mercenários 2" é, em todos os aspectos, maior e melhor do que o primeiro filme da franquia .

O primeiro "Os Mercenários" foi feito a partir de uma boa ideia: reunir no mesmo filme vários dos brutamontes de Hollywood, como Sylvester Stallone, Jason Statham, Jet Li, Dolph Lundgren - além de pontas de Bruce Willis e Arnold Schwarzenegger.

Em parte, deu certo. Lançado em 2010, "Os Mercenários" arrecadou US$ 275 milhões em todo o mundo (custou US$ 80 milhões). O lucro garantiu à sequência um orçamento maior, de US$ 100 milhões.

Mas "Os Mercenários" tinha falhas. O roteiro era pueril até para os parâmetros de filmes de ação; a direção de Sylvester Stallone era burocrática, não empolgava; e muitas das piadas não tinham a menor graça.

"Os Mercenários 2" corrige os erros do primeiro - e acrescenta algumas qualidades. Na direção, sai Stallone e entra Simon West (de "Con Air" e "A Filha do General"). O roteiro ficou nas mãos de Richard Wenk e do próprio Stallone. A mudança fez bem: ficou melhor costurado e apresenta menos buracos.

Leia também: Sylvester Stallone faz 66 anos e estreia filme de ação com outros veteranos

Divulgação
Terry Crews em 'Mercenários 2'

Stallone interpreta Barney Ross, o líder de um grupo de mercenários formado por Jason Statham (Lee Christmas), Dolph Lundgren (Gunnar Jensen), Jet Li (Yin Yang), Randy Couture (Toll Road), Terry Crews (Hale Caesar) e pelo novato Liam Hemsworth (Billy the Kid).

Siga o iG Cultura no Twitter

O filme inicia com os heróis em uma missão: eles têm de resgatar um empresário chinês no Nepal. Após exterminar um pequeno exército, o grupo encontra não apenas o chinês, mas o mercenário Trench, interpretado por Arnold Schwarzenegger.

Stallone e seu bando retornam aos EUA e, em seguida, mergulham em outra tarefa. Desta vez, a mando do misterioso Mr. Church, vivido por Bruce Willis.

A nova missão: reaver um objeto que está dentro do cofre de um avião que foi abatido em uma montanha na Albânia. Church manda, junto com o grupo de mercenários, a chinesa Maggie Chan, interpretada por Yu Nan.

O grupo encontra o objeto (um computador que tem a localização de uma mina de plutônio), mas cai em uma emboscada armada por bandidos liderados pelo criminoso Vilain, personagem de Jean-Claude Van Damme - que não estava no primeiro filme.

Vilain fica com o computador e, antes de fugir, provoca os mercenários com uma barbaridade sanguinária. É o mote para a vingança.

A ação se desenrola com, claro, armamentos poderosos, matança desenfreada, novos personagens (Chuck Norris é a grande surpresa) e várias sacadas (a piada de Chuck Norris com a cobra é ótima).

Se no primeiro filme Schwarzenegger e Bruce Willis apareceram por alguns minutos, em "Os Mercenários 2" a dupla ganha papeis de destaque. Até Dolph Lundgren, que sempre foi o mais canastrão e inepto dos atores de ação, arranca alguma empatia do público.

Para quem procura um filme de AÇÃO, "Mercenários 2" funciona - e bem. Entrega o que promete: tiros, explosões, sangue, piadas toscas e, até, algumas boas atuações.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG