Documentário satírico denuncia "incompetência e corrupção" na ONU

Para diretores de "U.N. Me", em cartaz nos EUA, entidade se transformou em "lugar que partilha o mal e alimenta o caos global"

EFE |

Os diretores Matt Groff e Ami Horowitz se propuseram a mostrar para o mundo que "incompetência e corrupção" são as melhores palavras para definir as Nações Unidas e, para isso, estreiam neste final de semana nos Estados Unidos o documentário satírico "U.N. Me", que pretende ridicularizar o trabalho do organismo internacional.

Com uma clara influência do trabalho do cineasta americano Michael Moore, Groff e Horowitz apresentam um documentário que tem como objetivo demonstrar "como uma organização fundada para enobrecer a humanidade se transformou em um lugar que partilha o mal e alimenta o caos global", afirma o material de divulgação do filme.

Divulgação
Ami Horowitz , um dos diretores do documentário "U.N. Me", faz pose na Costa do Marfim
Rodado em diferentes partes do mundo onde há missões da ONU e também nas sedes do organismo em Nova York e Genebra, o documentário apresenta Horowitz diante da câmera fazendo várias perguntas incômodas a embaixadores, diplomatas e funcionários do organismo.

"O filme lança um olhar bem humorado e assustador sobre a escandalosa falta de respeito da ONU com pessoas e princípios de sua fundação", acrescentam os promotores do documentário, para quem a ONU é "incompetente e corrupta", além de ser "um clube de ditadores e tiranos".

Quando a ONU foi fundada, há mais de 60 anos, personificava "nossa esperança de um mundo mais seguro e pacífico", dizem os diretores, que apontam que, "enquanto surgirem informações de violações de direitos humanos e conflitos internacionais", as Nações Unidas terão razão para seus ideais.

Siga o iG Cultura no Twitter

Os diretores apresentaram o filme pela primeira vez em 2009, no Festival Internacional de Documentários de Amsterdã. Depois, "U.N. Me" levou o prêmio de melhor documentário no Festival de Cinema de New Hampshire.

Com um forte tom satírico, o documentário repassa alguns dos fracassos mais famosos do organismo, como o do programa Petróleo por Comida no Iraque, que resultou em casos de corrupção, e a lenta reação do Conselho de Direitos Humanos da ONU perante o genocídio na região sudanesa de Darfur.

O filme apresenta vários testemunhos de membros das Forças de Paz, que dizem que são pagos "para fazer nada" e passam o dia com mulheres e em festas. Outro ponto abordado é o fracasso da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) para investigar se o Irã fabrica armas nucleares.

O documentário pode ser visto em algumas salas das principais cidades dos Estados Unidos, como Nova York, Los Angeles e Washington, e está disponível em várias plataformas online, como o iTunes.

    Leia tudo sobre: un medocumentárioonu

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG