Neville D'Almeida ganha retrospectiva em São Paulo

Sesc Santo Amaro vai exibir filmes do diretor de "A Dama do Lotação", incluindo o raro "Mangue Bangue"

AE |

Divulgação
Cartaz do filme "A Dama do Lotação", de Neville D'Almeida
Logo na entrada do Sesc Santo Amaro, avista-se um ônibus especial que leva seus "passageiros" a um destino nada convencional: o universo do cineasta Neville D’Almeida. Quem se aproxima do veículo, revestido por dentro e por fora com fotos de trabalhos do diretor, de bastidores de filmagens, de cartazes e de pareceres da censura sobre os filmes, escuta o barulho do motor. Então, é só entrar e começar a viagem.

Chamada de CineLotação, a instalação faz referência à terceira maior bilheteria do cinema nacional, "A Dama do Lotação", com mais de 6,5 milhões de espectadores - atrás de "Tropa de Elite 2" e "Dona Flor e Seus Dois Maridos". O filme, de 1978, é dirigido por D'Almeida e estrelado por Sônia Braga. O veículo, um velho ônibus de linha customizado pelo diretor e pelo curador Rafael Spaca, integra a mostra "Neville D’Almeida - Além Cinema".

Desta quinta-feira a 8 de julho, o diretor é homenageado com a exibição de 12 longas e 20 curtas-metragens, além de fotografias, peças de teatro, shows (com André Abujamra, por exemplo), conversas com atores como Lima Duarte e Nuno Leal Maia, workshops e debates sobre a obra do artista, com figuras como Jorge Mautner e Hector Babenco. O próprio cineasta participa de um encontro no dia 23, às 20h.

Segundo D’Almeida, este é o primeiro tributo que recebe em mais de 40 anos de carreira. "Nasci em Minas, moro no Rio e estou sendo homenageado em São Paulo", diz ele, que também é artista plástico, fotógrafo, entre outras atividades artísticas. "Para mim como artista e como pessoa, é emocionante porque é uma coisa verdadeira, valoriza o trabalho e informa sobre ele."

Um dos diretores que mais sofreram com os cortes da censura durante a ditadura militar, D'Almeida destacou a sensualidade da mulher brasileira em suas produções, elevando a figura feminina à protagonista dos seus próprios desejos. Foi assim com Sônia Braga em "A Dama do Lotação", baseado na obra de Nelson Rodrigues, cujo trabalho também inspirou "Os Sete Gatinhos" (1980), com Regina Casé.

Outro "maldito" que influenciou D'Almeida foi Plínio Marcos. Sua peça "Navalha na Carne" foi adaptada para o cinema em 1997, com Vera Fischer interpretando a prostituta Neusa Suely. Claudia Raia também foi musa do diretor, na refilmagem de "Matou a Família e Foi ao Cinema" (1991).

Todos esses filmes estão na programação, que tem também o inédito "Mangue Bangue", obra experimental nunca exibida no País, considerada perdida por quase 40 anos até ser encontrada na cinemateca do Museu de Arte Moderna de Nova York.

Também será exibido "Maksuara - Crepúsculo dos Deuses", documentário realizado durante a estadia de dez dias do diretor na aldeia Aukre, no sul do Pará, junto de 700 índios kayapós. A convivência com eles rendeu ainda as fotografias da exposição "Kayapoemas".

Neville D'Almeida: Além Cinema - Sesc Santo Amaro (Rua Amador Bueno, 505). Tel. (011) 5541-4000. De quinta a 8 de julho. Grátis (com exceção dos shows: de R$ 5 a R$ 20; das peças de teatro: de R$ 4 a R$ 16; e dos workshops: de R$ 2 a R$ 8).

    Leia tudo sobre: Neville D'Almeidacinema

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG