Breno Silveira também falou, irritado, dos problemas de áudio na primeira exibição pública de “À beira do caminho”

Breno Silveira, diretor
Daniela Nader/Divulgação
Breno Silveira, diretor

Era para ser só sorrisos. Mas Breno Silveira ficou com a voz embargada ao lançar “À beira do caminho” , no Cine PE Festival, na noite desta quinta-feira (26). No dia seguinte, pela manhã, o diretor conversou com a imprensa sobre dois assuntos espinhosos. O primeiro se referia ao problema de som durante a primeira exibição pública do longa, o que provocou eco na sala de 2400 lugares.

“Não consegui dormir a noite toda, só pensando no erro do som. Um cara tarado como eu pela qualidade do som, não podia passar por isso. É o lançamento do filme, e ele nasceu torto”, desabafou.

Mais: Leia crítica do filme

Breno, que também dirigiu “2 Filhos de Francisco”, falou ainda da perda da mulher, Renata, entre as filmagens e a montagem deste mais recente longa. “É muito, muito difícil para mim. É um filme em forma de dedicatória de amor à mulher que perdi”, disse ele, bastante emocionado. Renata, que era arquiteta, morreu no ano passado de câncer.

Breno tem duas filhas Olívia, 14 anos, e Valentina, 12. E já prepara novo longa, sobre Luiz Gonzaga, rei do baião. “Não era para coincidir também neste ano o outro lançamento. Mas o que aconteceu na minha vida particular acabou atrasando todo o resto. Desculpe, não consigo falar muito sobre isso”, disse Breno.

Viagem sensorial

Ainda sobre o problema na exibição do longa, que impediu a parte de trás do cinema receber o som com qualidade, Breno pediu para que as pessoas voltem a vê-lo, agora com a qualidade merecida. “Só as caixas da frente funcionaram, as laterais não. Quem estava muito atrás não ouvia direito. É uma pena, porque o filme é uma viagem sensorial”, disse, tendo o filme se baseado em canções de Roberto Carlos.

Mais: Programação completa do Festival

Protagonista do longa, João Miguel também se mostrou chateado com o episódio, percebido por boa parte do público na noite anterior. “O que ocorreu foi drástico. Com 42 anos de vida, pela primeira vez não entendi a mim próprio falando na tela. O problema técnico deveria ter sido resolvido a tempo”, afirmou.

Em nota, a direção do Cine PE, diante da falha técnica ocorrida, esclarece “que houve uma falha do sistema digital, na leitura do arquivo de som, de forma tal que o filme teve que ser exibido sem os seus 6 canais originais (...) e que o sistema será tecnicamente reavaliado, para que se efetive, em condições normais, uma nova exibição”.

Apesar da falha, o filme foi bastante aplaudido pelo público que lotou a sala de exibição, em Olinda, a 20km da capital pernambucana. “À beira do caminho” está na mostra competitiva desta edição.

João Miguel com Breno Silveira
Daniela Nader/Divulgação
João Miguel com Breno Silveira

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.