Diretor, ganhador do Oscar por Quem Quer Ser um Milionário?, prometeu uma "emocionante recepção" aos atletas

Danny Boyle na cerimônia do Oscar de 2009
Getty Images
Danny Boyle na cerimônia do Oscar de 2009
O premiado cineasta Danny Boyle, de Quem Quer Ser Um Milionário? , irá dirigir a cerimônia de abertura da Olimpíada de 2012 em Londres, anunciaram organizadores na quinta-feira, e ele prometeu imediatamente uma "emocionante recepção" aos atletas e a todo o mundo. Boyle admitiu que o show pode não ser da mesma dimensão da última Olimpíada, em Pequim, mas garantiu que será uma "recepção genuína e pessoal".

O cineasta britânico e o diretor Stephen Daldry, que trabalhou em filmes como Billy Elliot e As Horas , farão parte do quarteto que irá supervisionar as cerimônias de abertura e encerramento da Olimpíada e da Paraolimpíada. O orçamento deles será de 40 milhões de libras, que sairão do orçamento geral de 2 bilhões de libras do comitê organizador local.

A abertura da Olimpíada de Pequim foi vista pela TV por 1 bilhão de pessoas, e estabeleceu um novo parâmetro para esses eventos, em geral considerados tediosos e mal feitos. "É preciso reconhecer que não vai ser como Pequim em termos dessa escala dominadora, intimidadora", disse Boyle a jornalistas. "Será mais modesto. Mas nosso trabalho é assegurar que, dentro desses meios, seja espetacular e ofereça uma emocionante recepção para a abertura dos Jogos."

Houve poucas dicas de como será o show. Ficou claro que a tocha olímpica terá papel central, que "não haverá zumbis correndo pelo palco", e que parte da cerimônia pode ser levada para fora do estádio. O presidente do comitê organizador, Sebastian Coe, disse que é importante não simplesmente imitar cerimônias anteriores, e sim retratar as diferentes cidades e suas origens.

Boyle, que já viveu na zona leste de Londres, onde os Jogos se concentrarão, disse que se apressou em aproveitar a chance de ser o diretor artístico, e que vai se inspirar na excelência esportiva e na cidade que lhe deu tantas oportunidades. O diretor de "Trainspotting" irá se dedicar integralmente ao projeto a partir do começo do ano que vem, depois de completar dois trabalhos com os quais já estava comprometido, inclusive uma versão teatral de "Frankenstein".

Organizadores disseram que a intervenção de 8 minutos que apresentou Londres ao final da Olimpíada de Pequim não irá condicionar o trabalho dos artistas. Aquele espetáculo, que mostrava cenas "londrinas", como um ônibus vermelho de dois andares e dançarinos de chapéu-coco, custou 1,5 milhão de libras, e sofreu muitas críticas. "É um show diferente, e uma equipe diferente", disse Martin Green, chefe de cerimônias do comitê organizador, à Reuters.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.