China diz que Ai Weiwei está preso por 'evasão fiscal'

Forte crítico do governo comunista chinês, artista plástico é mantido em prisão domiciliar

BBC Brasil |

selo

A polícia chinesa disse nesta sexta-feira que o motivo pelo qual o artista Ai Weiwei, um dos mais conhecidos do país, está preso desde abril é por evasão fiscal. Segundo a agência de notícias estatal chinesa Xinhua, a empresa de Ai deixou de pagar "uma grande quantia" de impostos e "destruiu intencionalmente documentos contábeis".

Ai é um forte crítico do governo comunista chinês e seu blog é frequentemente censurado. Seu trabalho costuma ter conotações políticas e ele tende a apoiar abertamente outros dissidentes. A Xinhua disse que Ai estaria sob "vigilância residencial", termo geralmente usado quando os detidos são mantidos em prisão domiciliar. Sua detenção despertou críticas por parte da comunidade internacional e de grupos de direitos humanos.

Em abril, os governos da Alemanha e da França pediram a libertação imediata de Ai. E a ONG Anistia Internacional declarou na época que a prisão do artista mostra que "o período para discordância aberta na China chegou ao fim".

Já o Ministério das Relações Exteriores da China havia dito anteriormente que o artista estava sendo investigado por "crimes econômicos" e que seu caso não teria nada a ver com "direitos humanos ou liberdade de expressão".

Ai Weiwei foi detido no aeroporto de Pequim no dia 3 de abril. Ele manteve contato com sua família apenas no último domingo, segundo sua irmã, Gao Ge. Ela disse que o artista se encontrou com sua esposa em um local secreto, para dizer que estava bem.

"Ele não é o representante legal da empresa ou seu presidente. Portanto, mesmo que seja acusado de crimes, Ai Weiwei não deveria ter sido preso", disse Gao Ge à agência Reuters, ressaltando que acredita que a prisão tem motivos políticos.

    Leia tudo sobre: ai weiwei

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG