Biografia alega que Coco Chanel era espiã nazista

Jornalista norte-americano afirma que estilista francesa era profundamente antisemita

Reuters |

AFP
Coco Chanel em foto de 1944: estilista trabalharia como espiã durante ocupação nazista da França
Um novo livro sobre a vida de Coco Chanel publicado nos Estados Unidos na terça-feira tem como objetivo fortalecer os argumentos de que a estilista francesa colaborou com os nazistas durante a Segunda Guerra Mundial - como uma espiã de codinome "Westminster".

O livro "Sleeping With The Enemy: Coco Chanel's Secret War" (Dormindo Com o Inimigo: a guerra secreta de Coco Chanel), do jornalista norte-americano Han Vaughan, que trabalha em Paris, alega não apenas que a estilista foi amante do oficial alemão Hans Gunther von Dincklage, história que já foi muito documentada, mas que os dois eram espiões que viajavam para missões em Madri e em Berlim.

O livro também defende que Chanel era profundamente antisemita.

"Vaughn revela que Chanel era mais do que uma simpatizante e colaboradora nazista. Ela era um agente nazista oficial trabalhando para Abwehr, a agência de inteligência militar da Alemanha", disse a editora Alfred A. Knopf em comunicado.

Mas uma representante da grife Chanel expressou dúvidas na terça-feira sobre as alegações contidas no livro.

"O que é certo é que ela tinha um relacionamento com um aristocrata alemão durante a guerra. Claramente não foi o melhor período para se viver uma história de amor com um alemão, mesmo se Baron von Dincklage fosse inglês por parte de mãe e ela [Chanel] o conhecesse desde antes da guerra", disse o grupo Chanel em comunicado.

Codinome "Westminster"

A grife também contestou a alegação de que a estilista era antisemita. Para a empresa, Chanel tinha amigos judeus e era ligada à família Rothschild, o que desmentiria a acusação..

Mas o livro se fundamenta em arquivos ingleses, britânicos, alemães e norte-americanos para afirmar que Chanel, cujo estilo inspirado na moda masculina a impulsionou para se tornar uma das figuras mais influentes da moda, participou de missões com Dincklage e outros para ajudar a recrutar novos agentes dispostos a servir à Alemanha.

O livro afirma que o número dela de agente de Abwehr era F-7124 e o codinome era "Westminster", inspirado no duque de Westminster com quem ela teve um caso. A estilista morreu em Paris em 1971, aos 87 anos.

Chanel foi alvo de especulações sobre o fato de ter sido uma espiã, mas foi libertada depois de ser detida e interrogada a respeito de seus laços com a Alemanha nazista por um juiz na França. O livro publica alguns trechos de seu depoimento no tribunal.

    Leia tudo sobre: coco chanelespionagemnazismo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG