Ballet Imperial da Rússia estreia em São Paulo

Depois de três anos, companhia ao Brasil para turnê que passa por 14 cidades

Agência Estado |

Viajando numa turnê que passará por 14 cidades brasileiras, o Ballet Imperial da Rússia chega a São Paulo para duas apresentações: hoje, com o espetáculo Don Quixote , e amanhã, com Romeu e Julieta , no Teatro Bradesco, no Shopping Bourbon Pompeia, às 21h. Será a primeira vez que a companhia, criada em Moscou, em 1994 e uma das mais respeitadas do mundo, se apresentará na cidade.
O grupo já dançou no Brasil, em 2007, com a turnê O Lago dos Cisnes , mas nunca havia estado em São Paulo. "Estamos animados em poder voltar ao Brasil e com essa estreia em São Paulo", diz o criador e diretor artístico da companhia, Gediminas Taranda, primeiro bailarino do Bolshoi entre 1980 e 1993.

Divulgação
Ballet Imperial da Rússia: turnê extensa pelo país
Para ele, as instalações dos teatros brasileiros são boas, mas deixam a desejar no aspecto de equipe técnica. Já a plateia, ele afirma, é uma das melhores do mundo. "Temos tido os teatros cheios em todas as cidades pelas quais passamos até agora. Isso é muito bom. Mostra que o público aprecia nosso trabalho", comemora. Nesta turnê, a trupe já dançou em Brasília e Goiânia. Depois de São Paulo, eles seguem para mais 11 cidades, entre elas Campo Grande, Rio de Janeiro e Recife.

Com teatros sempre lotados, o diretor afirma que a companhia tem um diferencial. "Nossas apresentações têm sempre um caráter particular, um toque nas coreografias. Eu procuro colocar meu estilo de coreografar, buscando o máximo das características dos bailarinos". Além de coordenar o espetáculo, Gediminas é o responsável por manter a equipe disciplinada durante a longa turnê. "A dificuldade é grande, pois são 46 pessoas, entre equipe de produção e bailarinos. A parte mais difícil é transportar figurino e equipamentos de cenário. O Brasil é um país muito grande."

No País desde o início deste mês, o russo diz que está ansioso para ir à praia. "Até esse momento, não tivemos chance. Em 2007, aproveitamos bastante as águas mornas do Nordeste, no Recife e outras cidades", diz ele, que afirma ser fã da culinária brasileira. "Adoro caipirinha e gosto muito dos crustáceos e doces. Quando estivemos no Recife, nosso empresário preparou um almoço especial. Provamos um creme de maracujá e também o famoso bolo-de-rolo, que eu não esqueço".

    Leia tudo sobre: balé

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG