Artista chinês Ai Weiwei diz que é investigado por pornografia

Após processo por evasão fiscal, fiscal é acusado devido a fotos nus que fez anos atrás

AFP |

O artista dissidente chinês Ai Weiwei, alvo de uma acusação de fraude fiscal, anunciou nesta sexta-feira (18) à AFP que é alvo agora de uma investigação por pornografia, que diz respeito a antigas fotos em que posou nu.

Reuters
Ai Weiwei segura os documentos de seu acordo com a Receita Federal chinesa
"Ontem (quinta-feira, 17) levaram meu assistente a uma delegacia de polícia e perguntaram a ele por que havia feito essas fotos, e disseram claramente a ele que sou alvo de investigação por pornografia", declarou Weiwei por telefone.

"Trata-se de algo novo, de que não ouvi falar até agora. Eles proliferaram acusações durante minha prisão, mas achei que era uma piada", acrescentou.

Esta semana, Weiwei declarou que seu combate contra o fisco mostra ao mundo o sistema na China, depois de comparecer na quarta-feira (16) à agência federal de impostos para apresentar um recurso contra uma grande multa.

"Podemos aproveitar uma oportunidade para mostrar ao mundo em que sistema estamos", declarou à AFP Ai Weiwei, que pagou uma grande quantia graças a ajudas recebidas por simpatizantes de seu trabalho como artista plástico.

O pintor, escultor, arquiteto e artista plástico, crítico ferrenho do regime comunista, foi detido este ano, mantido em local secreto por três meses e acusado de fraude fiscal.

Siga o iG Cultura no Twitter

Ai Weiwei recebeu até o fim de semana doações avaliadas em 8,69 milhões de iuanes (R$2,43 milhões). Ele afirmou na quarta-feira que a onda de solidariedade, que irritou as autoridades, o fez perceber que não está sozinho no combate.

"Estou com o moral elevado graças a todas as doações que chegaram pela internet", completou. O artista depositou 8 milhões de iuanes (R$ 2,24 milhões) de garantia para poder recorrer da multa fiscal de 15 milhões de iuanes (R$ 4,2 milhões) cobrada pelo governo.

Assíduo utilizador das redes sociais, Ai Weiwei confessou à AFP que não teve muito tempo ultimamente para dedicar-se à produção artística, mas afirmou que a luta pelos direitos humanos pode entrar nesta categoria.

"Penso que meu trabalho artístico é este. Minha obra trata da comunicação e expressão de minha preocupação social", declarou o dissidente, que fez uma ampla investigação sobre os desabamentos de escolas, construídas com material barato, após o terremoto de Sichuan de 2008. Centenas de crianças morreram na ocasião.

Ai Weiwei, famoso por ter participado na concepção do "Ninho do Pássaro", o Estádio Olímpico de Pequim, nega qualquer evasão de impostos. O serviço fiscal abriu uma investigação contra o artista depois que ele passou três meses detido, de abril a junho. Weiwei foi preso no aeroporto de Pequim quando pretendia viajar a Hong Kong.

A detenção provocou uma onda de indignação no mundo e ocorreu em meio ao aumento da repressão das autoridades chinesas contra os dissidentes e militantes dos direitos humanos.

Em outubro, o chinês foi considerado a personalidade artística mais influente no mundo pela revista britânica Art Review.

    Leia tudo sobre: artes plásticasai weiweichina

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG