Amizade entre Picasso e fotógrafo americano é tema de exposição

Mostra apresentará 115 imagens do pintor espanhol feitas por David Douglas Duncan

EFE |

Um total de 115 fotografias do norte-americano David Douglas Duncan e 77 quadros de Pablo Picasso testemunham, em exposição inaugurada nesta segunda-feira (20 de junho) no Museu Picasso de Málaga, a estreita relação entre ambos, que contribuiu para forjar o mito do artista espanhol.

Com 95 anos e equipado com uma câmara digital compacta que não hesitou em utilizar durante a entrevista coletiva, Duncan lembrou seus quase 20 anos de trabalho ao lado de Picasso, quando tirou quase 15 mil fotografias.

"Nasci no Kansas. Quando era pequeno, gostava de pegar serpentes e ali tínhamos um museu de arte chinesa, que não tinha nada a ver com Picasso. Esse foi o meu diferencial, quando o conheci não fazia ideia de quem ele era, mas gostamos um do outro", afirmou o fotógrafo.

Siga o iG Cultura no Twitter

Christine Ruiz-Picasso, nora do artista, acredita que as fotos "emanam felicidade e alegria de vida" e "falam muito mais que qualquer lembrança que se possa contar", comentou. "Picasso dizia que Duncan era fantástico como fotógrafo, porque era tão delicado e discreto que se esquecia dele. Por não atrapalhar seus movimentos no ateliê, Picasso permitiu que ele tirasse fotografias que nunca teria permitido a nenhum outro fotógrafo", acrescentou Christine.

Picasso e Duncan se conheceram em fevereiro de 1956, quando o fotógrafo viajava do Afeganistão para o Marrocos em seu trabalho para a revista "Life", e quis parar em Cannes para conhecer o artista, informou Stéphanie Ansari, uma das curadoras da exposição.

O também fotógrafo Robert Capa havia prometido a Duncan que lhe apresentaria Picasso, mas a morte de Capa encorajou Duncan a tentar sozinho. O americano se apresentou na casa do artista com um anel de ouro que tinha gravado seu próprio nome e o de Picasso. A atitude comoveu o pintor, que o recebeu na banheira e pediu a Duncan para fotografá-lo ali mesmo, o que ninguém ainda havia feito. O resultado pode ser conferido na exposição de Málaga.

Mesmo com a barreira do idioma, Picasso recebeu Duncan "como alguém da família" e ambos tiveram "um vínculo muito forte", disse Ansari, ressaltando que a relação entre os dois "teve um papel fundamental na construção do mito de Picasso", considerou.

A outra curadora da mostra, Tatyana Franck, declarou que o artista espanhol via em Duncan "mais do que um fotógrafo", admirava "sua fortaleza e seu valor" e ficava impressionado com todas as viagens que havia feito. A exposição permanecerá no Museu Picasso de Málaga até o dia 25 de setembro, e depois passará por Alemanha e França.

    Leia tudo sobre: Picassoarte

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG