Ai Weiwei paga R$ 2,35 mi ao governo e terá processo revisado

Artista se encontrou com membros da Receita Federal chinesa nesta quarta-feira (16)

Reuters |

O artista e ativista Ai Weiwei disse nesta quarta-feira (16) que sua detenção de 81 dias e o conflito com as autoridades por conta da suposta sonegação de impostos eram exemplos de incontáveis outros casos menos conhecidos de pessoas detidas nas prisões e nos campos de trabalho forçado na China.

Reuters
Ai Weiwei segura os documentos de seu acordo com a Receita Federal chinesa
Pela primeira vez desde que foi libertado de uma detenção secreta no final de junho, Ai se encontrou publicamente com autoridades nesta quarta-feira na Receita Federal em Pequim. As autoridades aprovaram seu pagamento de 8,45 milhões de iuanes (R$ 2,35 milhões) -- fruto de contribuição de dezenas de milhares de simpatizantes -- permitindo a ele acesso a uma revisão administrativa pelas acusações de sonegação de impostos.

Siga o iG Cultura no Twitter

Rodeado de jornalistas de televisão em frente à Receita, Ai disse que autoridades fiscais lhe disseram que vão "conduzir com cuidado" a revisão administrativa, na qual uma comissão reexaminará o mérito de uma decisão de multar o artista em 15 milhões de iuanes (R$ 4,17).

"Estou me manifestando, não por mim, mas por aqueles que não têm voz", disse Ai, de 54 anos, em uma entrevista à Reuters em sua casa e estúdio no nordeste de Pequim.

"Espero que quando a sociedade olhar para mim, lembre que não sou um caso individual", disse. "Muitas pessoas não entendem porque não podem estar com seus filhos, não podem ver as pessoas que gostariam de ver. Suas vozes nunca serão ouvidas", afirmou.

Grupos defensores dos direitos humanos dizem que a polícia e as agências de segurança chinesas prenderam ou colocaram centenas de dissidentes, ativistas e manifestantes em confinamento extra-judicial secreto desde fevereiro, refletindo o temor do governo de que as revoltas que se espalharam pelo mundo árabe inspirem protestos contra o governo na China. Muitos detidos foram libertados posteriormente, mas continuam sob vigilância constante.

Ai foi detido sem acusação em abril e mantido principalmente em confinamento solitário até sua liberdade condicional ser concedida em final de junho. Ele tem ignorado os esforços para silenciá-lo e se tornou motivo de mobilização de dissidentes e ativistas na China.

"Eu fui refém há meio ano", disse a jornalistas. "Agora que paguei a fiança, sinto como se estivesse sendo roubado", disse Ai, que estava usando uma camiseta estampada com seu rosto e as palavras "desaparecido" e "encontrado".

    Leia tudo sobre: artes plásticasai weiweichina

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG