Após temporada bem sucedida com três indicações ao prêmio Shell, o monólogo terá breve reapresentação no Teatro Leblon

Charles Fricks:
Isabela Kassow
Charles Fricks: "Meu personagem diz o que muitos não têm coragem de expor"
Para o público carioca que não conseguiu conferir em 2011 a versão para os palcos do livro homônimo de Cristovão Tezza, “O Filho Eterno” , com adaptação de Bruno Lara Resende, o monólogo reestreia em curta temporada no Teatro do Leblon, de 13 de janeiro a 25 de fevereiro.

O monólogo, estrelado por Charles Fricks, traz os corajosos relatos de Tezza sobre a convivência com o filho mais velho, Felipe, portador da Síndrome de Down . A história provoca emoções inesperadas na versão teatral e arrematou três indicações ao prêmio Shell de teatro (ator, iluminação e direção de movimento), entre outras premiações. "O Filho Eterno" mostra a luta diária de um homem que precisa lidar com as decepções que um filho pode trazer, focando no desafio de nossas limitações.

"Muito mais do que a relação de um pai que tem de lidar com o filho, que nasce inesperadamente com Síndrome de Down, a história narra as dificuldades da paternidade, o saber lidar com o fato de que você não é mais o centro do mundo. A síndrome é só uma síntese dessas inúmeras dificuldades", diz Daniel Herz, diretor da Cia Atores de Laura e do espetáculo.

Charles Fricks também encara a experiência como novidade. A montagem do texto partiu da vontade do ator em encarar o desafio de entrar em cena sozinho. "O texto me moveu, sobretudo porque fala da nossa dificuldade em lidar com o diferente, da nossa intolerância, temáticas tão recorrentes no nosso cotidiano”, afirma Charles.

Serviço:

Teatro do Leblon - Sala Tônia Carreiro
Rua Conde de Bernadotte, 26
Tel: (21) 2529-7700
Estreia 13 de Janeiro
Sextas e sábados às 18h30
Tempo de duração: 1h15m
Valor: R$ 50,00
Classificação indicativa 14 anos
Horário da bilheteria: terça a domingo das 15h às 21h
Até: 25 de fevereiro

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.