A nova capital da música no Brasil

No momento em que o Rock in Rio anuncia seu retorno, Itu desponta como novo centro de shows do país

Guss de Lucca, iG São Paulo |

Luciano Trevisan
O secretário de turismo de Itu, Osmar Barbosa, espera um aquecimento de 15% na economia local
No ano em que comemora seu quarto centenário a cidade de Itu, no interior de São Paulo, se prepara para receber o maior evento de música que o país já abrigou. Com expectativa de público de 180 mil pessoas em três dias de evento, o SWU Music and Arts Festival tem mobilizado toda a região, que deve usufruir do aumento de turistas nos dias 9, 10 e 11 de outubro.

De acordo com Osmar Barbosa, secretário de turismo de Itu, a expectativa é que o evento aqueça em 15% a economia local, cuja rede hoteleira já desfruta de ganhos provenientes do festival - todos os hoteis e grande parte dos campings da região não têm mais vagas, mesmo com o aumento selvagem de suas diárias, que chegam a custar 300% a mais de seu preço habitual.

"Se pensarmos em 60 mil pessoas por dia, é quase como ter outra cidade vindo para cá", explica o secretário, revelando que a procura tem até estimulado moradores a alugar suas casas para os turistas.

O diretor da Secretaria de Turismo, Benedito Ramos, afirmou que eles têm recebido telefonemas de diversos locais do país em busca de ajuda para conseguir hospedagem. "Hoje ligou um grupo de Florianópolis. A cidade foi privilegiada pelo evento", diz.

O preço alto afastou o taxista Marcos Vinicius Bahia Rodrigues dos hoteis de Itu. Morador de Betim, em Minas Gerais, ele comprou um ingresso para o primeiro dia do SWU, para assistir ao show da banda Rage Against the Machine. "O preço dos hoteis estava muito acima do esperado então eu e meus amigos preferimos nos hospedar em Campinas", conta.

Mas não é apenas com os hóspedes que a economia de Itu promete se aquecer. O taxista Edésio de Souza, da Itu Radio Taxi, concorda com a importância do festival para a cidade. Trabalhando próximo a organização do evento, ele costuma fazer de cinco a seis corridas longas em noites desse tipo.

Edésio conta que para levar um cliente da Fazenda Maeda, onde ocorrerá o SWU, até a cidade de São Paulo, o valor cobrado é de R$ 250,00. "Às vezes a pessoa chega desacordada e precisamos pedir para a mãe pagar", revela.

Luciano Trevisan
Ivy Branco com os souvenires gigantes: "Pagando bem ofereço até o quintal para os turistas"
Outra que não se incomoda com o surgimento desse tipo de festa é a comerciante Edna Maria Fullas, que trabalha na banca de souvenires Lembranção do Carmo, no centro de Itu, vendendo objetos em tamanhos avantajados que fazem a fama da cidade - Itu é conhecida pelos objetos de tamanho exagerado, dos quais se destacam um semáforo e um telefone público.

Ao lado da filha, Ivy Branco, ela disse não se preocupar caso o volume de eventos desse porte ocorra com mais frequência na cidade. "O mito de que em Itu é tudo grande atrai gente de todos os lugares. Eu sequer compreendo o idioma que muitos turistas falam", comenta

Indagada sobre a procura por hospedagem, a dona da banca afirma que não se incomodaria em abrigar alguém em sua própria casa. "Se bobear eu hospedo. Pagando bem ofereço até o quintal", afirmou a animada Ivy.

De acordo com Milkon "Mac" Chriesler, diretor geral do SWU, existe a expectativa que esse seja apenas o primeiro de muitos, mas isso só o tempo dirá. Os governantes e comerciantes de Itu torcem para que isso aconteça.

    Leia tudo sobre: SWUItu

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG