Vaticano revela novos sistemas para proteger afrescos de Michelangelo

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Nova iluminação e purificação do ar busca impedir danos causados por crescente volume de turistas na Capela Sistina

Reuters

O Vaticano apresentou na quarta-feira (29) novos sistemas iluminação e purificação do ar de alta tecnologia e eficientes em energia, a fim de proteger os afrescos de Michelangelo na Capela Sistina de possíveis danos causados pelo crescente volume de turistas.

Poeira vinda do lado de fora, suor e dióxido de carbono representam um grande risco para as obras de arte, que têm mais de 500 anos. Elas incluem uma das mais famosas cenas na história da arte, um Deus barbudo com o braço esticado para dar vida a Adão.

Getty Images
Capela Sistina:excesso de visitantes prejudica conservação dos afrescos

Para proteger os afrescos, o Vaticano decidiu restringir o número de visitantes na capela, onde os papas são eleitos em conclaves secretos, para seis milhões ao ano.

Os sistemas de iluminação e de ar condicionado foram instalados em 1994, quando o número de visitantes estava em cerca de 1,5 milhão, e tornou-se inadequado para proteger o trabalho do mestre do Renascimento atualmente.

O novo sistema de filtragem e de condicionamento de ar, que é invisível a visitantes e utiliza aberturas para dutos já existentes, move o ar a uma velocidade muito baixa, para não danificar os afrescos.

Siga o iG Cultura no Twitter

Câmeras escondidas, incluindo duas sobre o grande painel do Juízo Final atrás do altar, fazem a averiguação do número de pessoas, ao passo que 70 monitores controlam máquinas do lado de fora da capela para determinar o fluxo de ar, filtrar a poeira e reduzir a humidade.

“Esta capela é uma estrutura única, então passamos bastante tempo entendendo como o ar flui aqui para mapear a tecnologia”, disse John Mandyck, chefe de sustentabilidade da Carrier, uma unidade do grupo United Technologies que desenvolveu o sistema.

“O ar flui aqui diferente de como faz, por exemplo, em um escritório ou em outra igreja”, disse ele a repórteres durante uma apresentação.

O novo sistema de luz, feito pela alemã Osram, utiliza cerca de 7 mil lâmpadas de LED, que consomem até 90% menos energia do que anteriormente, reduzindo o calor para proteger os afrescos.

Nem o Vaticano nem as empresas revelaramm o custo desses trabalhos.

Leia tudo sobre: michelangelocapela sistinavaticano

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas