Ópera "Carmen" estreia em SP: "Brasil é motivo de orgulho", diz tenor ao iG

Por Susan Souza , iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Thiago Arancam atua no espetáculo em que estão cantores líricos brasileiros e estrangeiros

Um nova montagem de "Carmen", ópera do compositor francês Georges Bizet, estreia nesta quinta-feira (29) com um elenco bastante brasileiro no Theatro Municipal de são Paulo. Serão nove apresentações (nos dias 29 e 31 de maio e 1, 3, 5, 7, 8, 10 e 11 de junho).

Além de ter artistas nacionais interpretando os personagens principais, o coro é formado pelo Balé da Cidade e pelo Coro Lírico Municipal de São Paulo.

Siga o iG Cultura no Twitter

Cenas da ópera 'Carmen' no Theatro Municipal de São Paulo. Foto: Desirèe Furoni/DivulgaçãoÓpera 'Carmen' no Theatro Municipal de São Paulo. Foto: Desirèe Furoni/DivulgaçãoCenas da ópera 'Carmen' no Theatro Municipal de São Paulo. Foto: Desirèe Furoni/DivulgaçãoCenas da ópera 'Carmen' no Theatro Municipal de São Paulo. Foto: Desirèe Furoni/Divulgação

Um dos protagonistas, o temperamental militar Don José, é vivido por dois tenores, entre eles o brasileiro Thiago Arancam. "A mão de obra desta ópera é 95% brasileira. Mesmo os estrangeiros que estão aqui utilizam mão de obra brasileira. O Brasil está fazendo bem feito e é motivo de orgulho", conta o tenor, de 32 anos, ao iG.

Os personagens principais - Carmen, Don José, Escamillo e Micaela - são revezados entre cantores líricos brasileiros e estrangeiros. A cigana Carmen é interpretada pela mezzo-soprano israelense Rinat Shaham e pela brasileira Luísa Francescone, já Don José é revezado entre os brasileiros Thiago Arancam e Fernando Portari.

O toureiro Escamillo será interpretado pelos barítonos, também brasileiros, Rodrigo Esteves e David Marcondes. Micaela, por sua vez, ficará com a soprano croata Lana Kos e com a chilena Andrea Aguilar. 

Montagem brasileira

Com direção cênica do italiano Filippo Tonon e regência do maestro espanhol Ramón Tebar, a nova montagem de "Carmen" impressiona pela exuberância do cenário. "A cenografia é alta, enorme em largura e profundidade", diz Arancam, entusiasmado. "Não é nada de fibra, é tudo de madeira, trabalharam muito nisso."

Os ensaios de coro lírico e figuração começaram há um mês. Já os atores-cantores, como Arancam, iniciaram os ensaios há três semanas, em sessões de sete a nove horas por dia ao canto e atuação. "A produção é bem tradicional, o diretor respeitou o libreto e dá muita ênfase na diversidade da personalidade de Don José, que é muito tranquilo, mas bipolar, perde o controle."

A ópera no Brasil

Como interpretar uma ópera em português seria algo impossível por questões técnicas que exigiriam uma adaptação e mudança no conceito artístico idealizado pelo compositor da obra, Arancam acredita que as legendas adaptadas ao teatro estejam contribuindo para que as pessoas se aproximem das óperas.

Leia mais: Ópera teria maior êxito nas Américas se houvesse apoio, diz tenor

"Antes (a ópera) era muito distante porque havia o empecilho do entendimento da história, porque cantamos em outras línguas. Hoje temos as legendas no teatro. A ópera é uma arte que está ganhando cada vez mais espaço no Brasil, as pessoas têm cada vez mais acesso."

Nesta nova montagem de "Carmen", o diretor optou ainda por intercalar diálogos entre os trechos recitativos, o que favorece o entendimento e a atuação dos cantores.

Triângulo amoroso

A ópera "Carmen" possui quatro atos e foi composta pelo francês Georges Bizet, com libreto de Henri Meilhac e Ludovic Halévy, com inspiração no romance de Prosper Mérimée.

No espetáculo, há a interpretação da famosa ária "L'amour Est Un Oiseau Rebelle", conhecida popularmente como "Habanera", que introduz a personagem Carmen logo no primeiro ato.

Ambientado em uma fábrica de tabaco em Sevilha, sul da Espanha, o enredo dramático mostra o triangulo amoroso que envolve o militar Don José, sua noiva Micaela e a sedutora cigana Carmen.

O diretor Fillippo Tonon optou por encenar a ópera no ano de 1875, durante a segunda Revolução Industrial, ano que relembra a estreia da ópera em Paris e também o falecimento de Bizet.

"Carmen"
Theatro Municipal de São Paulo (pça Ramos de Azevedo, s/nº, São Paulo)
Datas: 29 e 31 de maio e 1, 3, 5, 7, 8, 10 e 11 de junho
Ingressos: esgotados

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas