Filme de Mike Leigh sobre pintor é forte candidato à Palma de Ouro em Cannes

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Timothy Spall interpreta o artista J.M.W. Turner, conhecido por retratar paisagens marítimas do século 19

Reuters

O diretor britânico Mike Leigh diz ter ficado "aterrorizado" com a perspectiva de capturar a abrangência e a sutileza de uma pintura de Turner num filme. Mas o seu retrato cinematográfico da vida do artista conhecido por suas paisagens marítimas é um favorito a conquistar a Palma de Ouro, o prêmio principal do Festival de Cannes.

Cena do filme 'Mr. Turner', de Mike Leigh. Foto: DivulgaçãoDiretor Mike Leigh e o elenco de 'Mr. Turner', Marion Bailey, Timothy Spall e Dorothy Atkinson durante o 67º Festival de Cannes. Foto: AP/ NewscomDa direita, a atriz Dorothy Atkinson, o ator Timothy Spall, o diretor Mike Leigh e a atriz Marion Bailey . Foto: AP/ NewscomDa esquerda para a direita, a atriz Dorothy Atkinson, o ator Timothy Spall, o diretor Mike Leigh e a atriz Marion Bailey . Foto: AP/ NewscomDa esquerda, a atriz Dorothy Atkinson, o ator Timothy Spall e a atriz Marion Bailey no 67º Festival de Cannes . Foto: AP/ Newscom

Siga o iG Cultura no Twitter

Um levantamento entre os críticos do site Screen International publicado nesta segunda-feira aponta "Mr Turner" como vencedor, pouco à frente de “Winter Sleep”, do diretor turco Nuri Bilge Ceylan.

“É um assunto difícil para um filme”, afirmou Leigh em uma entrevista à TV Reuters. “Quer dizer, fazer um filme sobre o que, para algumas pessoas, é um pintor obscuro do século 19, fazer um filme assim sem compromisso. Não tivemos que ‘hollywoodizá-lo’ de maneira nenhuma, e é um filme independente".

Leigh é conhecido pelo seu estilo de trabalho calcado no teatro, sem roteiro no começo do processo, longos ensaios e diálogos improvisados.

"Mr Turner" recebeu ótimas resenhas dos críticos, que elogiaram sua atmosfera dickensiana, sua capacidade de expressar sem palavras o turbilhão doméstico e os temas subjacentes de consciência de classe e da natureza da arte.

Os críticos também elogiaram o desempenho de mestre de Timothy Spall no papel do antissocial e rabugento J.M.W. Turner. Leigh normalmente escala atores pouco conhecidos fora da Grã-Bretanha, e disse que optar por mais atores de Hollywood em seu elenco “seria um desastre completo”.

“As pessoas disseram ‘bom, se você tiver um astro de Hollywood, um astro de primeira linha, vamos te dar todo o dinheiro que você quiser’”, afirmou ele. “Mas quero o meu Timothy Spall no papel de Turner, e não um monte de outras pessoas que seriam profundamente desqualificadas”.

Uma vitória daria a segunda Palma de Ouro para Leigh, que já conquistou o prêmio por “Segredos e Mentiras” em 1996. Dezoito filmes disputam o prêmio, que será anunciado no domingo, incluindo "Timbuktu", do diretor mauritano Abderrahmane Sissako, e "The Search", do diretor francês Michel Hazanavicius.

Leia tudo sobre: mike leighfestival de cannescannes 2014cinema

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas