Novo grupo de teatro faz releitura de Shakespeare na peça "Mais Um Hamlet"

Por Susan Souza , iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

No espetáculo, cinco atores relembram os clichês de um dos personagens mais célebres do dramaturgo inglês

Para o novo grupo de teatro Cia. dos Tolos, foi preciso humildade para se apropriar do texto clássico de William Shakespeare. "Lidamos com Shakespeare de uma forma humilde e nos colocamos como humanos diante dele. Vimos o autor como um humano também, como nós. Perdemos o medo do clássico, da tradição, dos conceitos", conta o grupo ao iG.

Cenas da peça 'Mais um Hamlet'. Foto: DivulgaçãoCenas da peça 'Mais um Hamlet'. Foto: DivulgaçãoCenas da peça 'Mais um Hamlet'. Foto: DivulgaçãoCenas da peça 'Mais um Hamlet'. Foto: Divulgação

O nome "Tolos", explicam, foi escolhido "no sentido de aceitar a ingenuidade e o 'não saber' como um jeito de olhar o mundo, como um caminho". Apesar de jovens, os cinco atores da Cia. aceitaram a responsabilidade de interpretar um dos textos mais famosos do autor inglês em "Mais Um Hamlet", que está em curta-temporada no Espaço Elevador, na Bela Vista, em São Paulo.

As frases célebres do texto, como "Ser ou não ser, eis a questão" e "Há algo podre no reino da Dinamarca" surgem em meio a outros "clichês" de Hamlet como um tributo ao autor da peça. "Por ser uma obra muito montada, estudada, falada e lida, trouxemos uma carga grande de informações sobre ela. Os clichês estão sempre presentes em cena, na forma de um tributo ao que já foi dito sobre o príncipe da Dinamarca."

Em 2014, são relembrados os 450 anos do nascimento de William Shakespeare, razão forte o bastante para impulsionar grupos de teatro de todo o mundo a buscar a dramaturgia do autor. "Shakespeare nos ensinou a rir do que há de mais humano em nós. E, portanto, rir de Hamlet é, acima de tudo, rir de nós mesmos, do que dói e do que engana. O humor é deliciosamente destruidor", afirma o grupo.

Em "Mais um Hamlet", o cenário é composto por apenas cinco cadeiras e os atores não usam a coxia. "Shakespeare usa o privado para falar do público e faz o público ouvir o que lhe é privado. Ao não utilizar coxias e ter no próprio palco todos os elementos que serão utilizados durante a peça, revelamos os dispositivos do fazer teatral, não escondemos nada." Os 32 personagens do texto são interpretados pelos cinco "atores-personagens" ao longo de 70 minutos.

Com direção de Pedro Haddad e dramaturgia de Maria Giulia Pinheiro, o espetáculo é o primeiro montado pela Cia. dos Tolos. Formado em 2012, o grupo é integrado pelos atores Ariel Rodrigues, Beatriz de Miranda, Maria Eugenia Portolano, Ronan Ammirati e Valérie Mesquita.

Peça "Mais um Hamlet"
Espaço Elevador (r. Treze de Maio, 222, Bela Vista, São Paulo)
Sábados (20h) e domingos (19h), em curta temporada até 11/5
Ingresso: R$30 (inteira), R$15 (meia), R$ 10 (moradores da Bela Vista com comprovante)
Bilheteria: aberta uma hora antes do espetáculo (dinheiro ou cheque)

Leia tudo sobre: igspmais um hamletpeçateatroshakespearewilliam shakespeare

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas