Christian Bale lidera elenco de filme centrado em família de homens em meio à crise econômica dos EUA

Reuters

Com mais estrada como ator do que como diretor - especialidade em que registra apenas dois filmes, inclusive o drama "Coração Louco" (2009), que deu o Oscar de melhor ator para Jeff Bridges -, o norte-americano Scott Cooper está firmando uma cinematografia que demonstra solidez na composição de personagens masculinos em crise.

Sua nova investida na direção, o drama "Tudo por Justiça", do qual é corroteirista ao lado de Brad Ingelsby, traça, aliás, uma galeria masculina bem maior e mais variada do que em seu filme de estreia. O enredo parte de um núcleo familiar, formado por um pai doente, Rodney Baze (Bingo O'Malley), um ex-veterano do Iraque, Rodney Jr. (Casey Affleck), o filho mais velho, Russell (Christian Bale).

Vivendo em Braddock (Pensilvânia), região industrial que sofre em cheio com a crise econômica, a família Baze sente o baque no dia-a-dia. O único sustento vem do trabalho do operário Russell, que se desdobra em dois turnos, horas extras, e tudo o que consegue, para sustentar o pai e o irmão, que não consegue emprego.

Russell funciona como o verdadeiro pai para Rodney, cobrindo suas dívidas de jogo e segurando sua barra emocional. Mas sua tentativa de proteção não alivia o tumulto interior do irmão, que acaba se envolvendo com o perigoso mundo das lutas ilegais, pelas mãos do agenciador John Petty (Willem Dafoe).

Siga o iG Cultura no Twitter

Contra sua própria vontade, mas pela insistência de Rodney, Petty acaba levando-o a um circuito ainda mais arriscado, comandado pelo alucinado Harlan DeGroat (Woody Harrelson).

Veja o trailer de "Tudo Por Justiça":

Rodney desaparece, desesperando o irmão, que procura o tio, Gerald (Sam Shepard), para buscá-lo por todo lugar. As pistas não são boas e eles são advertidos a tomarem cuidado pelo xerife Wesley Barnes (Forest Whitaker) - com quem Russell tem uma rivalidade, já que sua ex-namorada (Zoe Saldana) o deixou por ele.

É neste clima em ebulição, em ponto de bala, que Cooper desenvolve sua trama que, sem ser propriamente original e registrar alguns excessos, tem clima e apoia-se numa série de performances autenticamente sólidas. Poucas vezes se viu Woody Harrelson mais assustador, Casey Affleck mais atormentado e Christian Bale mais determinado do que neste filme até certo ponto modesto, mas que não faz feio no currículo dos envolvidos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.