David Alfaro Siqueiros: o muralista mexicano que queria matar Trotsky

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

México marca os 40 anos da morte de artista plástico e ativista político; veja imagens

BBC

As obras de David Alfaro Siqueiros refletem um pedaço importante da história do México, que marca os 40 anos de sua morte. O artista plástico, stalinista confesso e ativista político, nasceu na Cidade do México em 29 de dezembro de 1896 e morreu aos 77 anos em janeiro de 1974.

Siqueiros foi soldado do Exército Constitucionalista de Venustiano Carranza. A vitória desta facção e a eventual chegada ao poder fizeram com que Siqueiros tivesse uma influência determinante na construção do sistema educativo mexicano.

Veja imagens do trabalho de Siqueiros:

Autoretrato de David Alfaro Siqueiros. Foto: Luis Garza'Muerte al invasor' (1941), criada durante o exílio no Chile. Foto: Luis Garza'Petróleo', de David Alfaro Siqueiros. Foto: Luis GarzaO edificio da Reitoria da Universidade Nacional Autônoma do México, um dos mais representativos da capital mexicana, tem em seu exterior o mural 'El pueblo a la Universidad y la Universidad al pueblo', de 1953. Foto: Luis GarzaObra intitulada 'Nueva democracia'. Foto: Luis Garza

O artista acreditava que a arte era o meio idôneo para transmitir os valores revolucionários. Ele passou pela Europa, onde teve contato com as vanguardas artísticas.

Ao voltar para o México, Siqueiros começou, junto com Diego Rivera a experimentar e desenvolver o que ficaria conhecido como muralismo.

Siga o iG Cultura no Twitter

Durante esta viagem, Siqueiros também adotou o marxismo como ideologia, o que influenciou sua obra, que para ele funcionava como uma forma de arte revolucionária e popular. Um método para a educação do proletariado.

A paixão, o autoritarismo e sua admiração pelo socialismo soviético foram características tanto de sua arte como em seu pensamento e ação política.

Em maio de 1940, Siqueiros e um cunhado tiveram uma tentativa frustrada de atingir o objetivo de assassinar Leon Trotsky, líder soviético exilado no México.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas