Veja um vídeo que explica a decisão de ter um ator personificando Satã; Atração chega às lojas em DVD

Para quem aprecia passagens bíblicas ou simplesmente gosta de história, a minissérie "A Bíblia" é um prato cheio. Noé, Moisés, Abraão, Davi, Sansão e o mais aguardado personagem, Jesus Cristo, entre outros, têm nela suas histórias narradas em um drama-documentário que mostra "do Gênesis ao Apocalipse".

O seriado de temporada única é dividido em 10 episódios e sacia quem tem curiosidade pelas tramas épicas que embasaram o judaísmo e o cristinismo. Pela quantidade de efeitos visuais, também pode agradar aos jovens que procuram por ação e tecnologias que tornem as histórias mais atraentes.

Atualmente disponível no Brasil em um box com quatro DVDs, a série também foi transmitida por aqui pela TV Record. Nos Estados Unidos, o intérprete de Jesus Cristo, o ator português Diogo Morgado, chegou a ir ao programa de Oprah Winfrey para falar sobre seu personagem célebre e o sucesso da minissérie, que lá foi exibida pelo canal History Channel. 

Siga o iG Cultura no Twitter

Com saltos na narrativa de 40 a 400 anos entre um acontecimento e outro, o programa mostra passagens do velho e novo testamento que foram consideradas simbólicas, como a Arca de Noé, a abertura do mar Vermelho por Moisés, as batalhas pelo controle de Jerusalém e a mais aguardada parte: do nascimento à ressurreição de Jesus Cristo.

Veja um vídeo que explica a decisão de escolher um ator para representar Satã:

O roteiro promete ilustrar do começo do mundo ao Apocalipse, mas pouco é mostrado tanto da situação em que Adão e Eva desobedecem a Deus e comem a fruta proibida, quanto do período em que o apóstolo João redige o texto que narra o dia do juízo final. Nenhuma dessas passagens é aprofundada, deixando evidente que a direção priorizou o drama de Cristo, protagonista mais famoso da Bíblia, cuja história ocupa metade da minissérie.

Leia mais: O cinema e a Bíblia: de Noé a Golias, filmes religiosos tomam conta de Hollywood

As filmagens de "A Bíblia" ganharam um toque bastante realista, com nítido capricho de figurino, maquiagem e preocupação de cenógrafos em tornar os sets o mais próximo do que seria a realidade do mundo há mais de 2000 anos. As principais locações foram montadas em áreas desérticas do Marrocos e Egito, onde foi possível tomar proveito do clima e ocupar ruínas abandonadas.

Para religiosos, admiradores de histórias épicas ou curiosos, a minissérie satisfaz sem ser maçante, traz boas atuações e efeitos visuais realistas, um contexto histórico apurado e um carismático Jesus, que sofre nas mãos de traidores, céticos e inimigos em nome da humanidade. Uma história manjada, mas nem por isso menos bonita, que combina com o clima natalino para quem celebra a data.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.