Estrelado por Zac Efron e Nicole Kidman, suspense "Obsessão" tropeça no exagero

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Mão pesada do diretor Lee Daniels, de "Preciosa", atrapalha boa história

Reuters

O diretor norte-americano Lee Daniels aperfeiçoou, no mau sentido, sua mão pesada, já sentida no drama "Preciosa" (2009), neste novo trabalho, "Obsessão". Ele dispõe de uma boa e forte história nas mãos, mas a põe a perder com o tom excessivo e a má condução de um elenco de bons atores.

Adaptando livro de Pete Dexter, que foi seu corroteirista, Daniels elabora uma narrativa policial, envolvendo dois irmãos, filhos de um dono de jornal, Jack (Zac Efron) e Ward Jansen (Matthew McConaughey), um presidiário, Hilary Van Wetter (um surpreendente John Cusack), e uma loira fatal, Charlotte (Nicole Kidman), em 1969.

Imagem do filme 'Obsessão'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Obsessão'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Obsessão'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Obsessão'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Obsessão'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Obsessão'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Obsessão'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Obsessão'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Obsessão'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Obsessão'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Obsessão'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Obsessão'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Obsessão'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Obsessão'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Obsessão'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Obsessão'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Obsessão'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Obsessão'. Foto: DivulgaçãoImagem do filme 'Obsessão'. Foto: Divulgação

Os dois irmãos entram na vida da loira, que se corresponde com o presidiário, que nunca viu pessoalmente - é uma mulher de paixões fatais -, quando Ward tenta levantar falhas no processo de assassinato de um xerife, que deve levar Hilary à cadeira elétrica.

Siga o iG Cultura no Twitter

O jovem Jack se apaixona por Charlotte, apimentando uma história temperada pelo clima violento do sul dos EUA, um ambiente de pântanos e jacarés, com um pano de fundo envolvendo racismo e homofobia. Um ótimo material para um diretor melhor do que Lee Daniels desenvolver.

Veja um cena de "Obsessão":

Daniels, no entanto, prefere esbaldar-se em cenas exageradas - como no primeiro encontro entre Charlotte e Hilary na prisão, em que, apesar de não poderem tocar-se, chegam a um quase orgasmo simultâneo apenas por excitação verbal; e, pior ainda, quando Charlotte urina em Jack, depois que ele teve grave problema alérgico, numa praia, por causa de uma queimadura por contato com uma água-viva.

Ainda assim, o filme pode até, quem sabe, comunicar-se com um grande público, como se viu nas sessões durante o Festival de Cannes 2012, em que teve sua première mundial. Não será surpresa, também, se Daniels voltar ao Oscar, depois das duas estatuetas vencidas em 2009 por "Preciosa". Não raro, Hollywood adora esses excessos.

Leia tudo sobre: obsessãolee danielscinemanicole kidmanzac efron

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas