Conheça outros trabalhos em espaços públicos, como estações de metrô e paradas de ônibus, que tornam a rotina das cidades mais criativa e interessante

Nesta sexta-feira (dia 6), o artista multimídia norte-americano Doug Aitken – autor do Sonic Pavilion (2009), em Inhotim – lança um projeto de arte pública que arrecadará fundos para a programação não convencional em museus norte-americanos.

O projeto Station to Station transforma um trem que cruza os Estados Unidos (de Nova York a São Francisco) entre esta sexta e 28 de setembro numa obra de arte cinética luminosa. Durante as viagens, apresentações terão as presenças de personalidades e criadores dos campos da música, fotografia, escultura, site specifics e gastronomia. (Veja um vídeo do projeto abaixo.)

Entre os nomes anunciados, além do próprio Doug Aitken, estão o brasileiro Ernesto Neto e os artistas múltiplos Olafur Eliasson, Urs Fisher, James Turrell e Jorge Pardo. Da indústria da música e de suas conexões com a arte, participam do projeto Giorgio Moroder, Ariel Pink, Beck, Cat Power, Savages, No Age e muitos outros. Alice Waters é a curadora gastronômica e Leif Hedendal será o chef oficial da viagem. Os tickets estão à venda no site e custam US$ 25 por pessoa.

A união de artistas e meios de transporte faz da movimentação nas grandes cidades mais agradável (e até uma atividade turística) ao mesmo tempo em que torna a arte mais acessível e provocativa, fora dos muros dos museus e dos espaços reservados apenas ao lazer.

Razões políticas e sociológicas

Se na Rússia, por exemplo, as estações foram usadas para ostentar a riqueza de uma nação desde os anos 1930 - ainda hoje as áreas são comparadas a palácios e museus –, o modelo inspirou outros países, que adotaram os espaços públicos como artísticos e de identidade nacional, como é o caso da Suécia e de Portugal, mas também da França, da Inglaterra (dona do metrô mais antigo do mundo, de 1863) e, mais recentemente, da Itália.

Sandra Theodozio, coordenadora de Ação Cultural da Companhia Metropolitano de São Paulo, conta que o projeto “Arte no Metrô” trabalha, desde 1978, com a introdução de arte nas estações, cedendo espaço através de concurso para obras que, em geral, tem apoio de leis de incentivo à cultura para existir.

“Os croquis dos espaços com vocação para instalação de obras nas estações em fase de projeto são disponibilizados na área de Cultura e Lazer do site e, com isso, pretende-se minimizar as interferências geradas após a inauguração das futuras estações”.

Em outros países, iniciativas menos dependentes de leis de incentivo à cultura e mais ligadas às próprias administradoras do sistema de transporte – como o programa STArt, do Sound Transit, nos Estados Unidos – destinam 1% do valor da obra pública à inclusão de murais, instalações cinéticas, graffiti, esculturas, mosaicos e até intervenções arquitetônicas.

O resultado da mobilização em torno da inserção da arte no cotidiano das cidades faz espalhar-se pelo mundo estações de transporte que impressionam e, sem dúvida, valem a parada.

Mais informações:

Station to Station

Metro Napoli

Oscar Tusquets Blanca

Bisazza

RATP

Metro Russia

Sound Transit

Ellen Harvey

Chicago Transit Authority

DART Rail

Transport for London

Foster+Partners

Metropolitano de Lisboa

MVG - Metrô Munique

Metrô Praga

Alberto Nicolau

Companhia do Metropolitano de São Paulo

Maria Bonomi

Visit Stockholm

Imagea.org

Metro Varsóvia

Antonio Peticov

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.