Para produtores culturais, meia-entrada deveria ser subsidiada pelo governo

Por Susan Souza , iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Shows para público jovem podem ter preço dos ingressos reduzido em até 30% se a procura for alta, diz produtor

O preço dos ingressos pode diminuir em até 30% com a cota de 40% para meia-entrada. A afirmação é de produtores culturais ouvidos pelo iG.

Na segunda-feira (5), o Estatuto da Juventude foi sancionado pela presidente Dilma Rousseff. Com a medida, as meias-entradas para estudantes e jovens de baixa renda serão limitadas a até 40% dos ingressos disponíveis em eventos culturais e esportivos.

Siga o iG Cultura no Twitter

Roberto Stuckert Filho/PR
Dilma Rousseff durante a cerimônia de sanção da lei que institui o Estatuto da Juventude

De acordo com o grupo Tom Brasil, mantenedor da casa de shows HSBC Brasil, em São Paulo, a queda nos preços das entradas "depende do perfil do artista e de seu público".

"Em shows que atraem os mais jovens, a redução no valor do ingresso pode sim ocorrer, de 20% a 30% de acordo com a negociação com os empresários. Já em shows de perfil maduro, em que normalmente a adesão à meia-entrada por estudantes é menor, não haverá grande mudança", diz a empresa.

Leia mais:
Para internauta do iG, Estatuto da Juventude não baixará preços dos ingressos
Dilma sanciona Estatuto e limita 40% de ingressos para meia-entrada

Para alguns produtores culturais, é necessário que o governo intervenha para subsidiar os ingressos de estudante. "A meia-entrada ampla e irrestrita é complexa porque, de certa forma, é um subsídio bancado pela iniciativa privada. O governo incentiva os estudantes a terem acesso a eventos, mas o que o produtor recebe em troca?", questiona o produtor cultural Marcos Boffa.

"Esse limite de 40% é interessante porque possibilita ao promotor trabalhar com um percentual razoável, e assim ele consegue planejar quanto pode ser a arrecadação. Mas a carteirinha precisa ser melhor controlada, não pode ser distribuída para qualquer pessoa", complementa Boffa.

Opinião semelhante é compartilhada por Hugo Possolo, diretor do grupo de teatro Parlapatões, que mantém um espaço próprio em São Paulo. "Por que o governo não deixa o preço livre? A imposição da meia-entrada supõe que a mesma seja subsidiada. Por que eu, como artista, tenho que subsidiar o ingresso?", questiona.

Entenda o Estatuto

O Estatuto da Juventude foi sancionado pela presidente Dilma Rousseff nesta segunda-feira (5). Com a medida, as meias-entradas para estudantes e jovens de baixa renda serão regulamentadas para até 40% dos ingressos disponíveis em eventos culturais e esportivos.

A cota era uma reivindicação de artistas e produtores culturais, que justificavam os preços elevados dos ingressos por causa da falta de regulamentação da quantidade de meia-entrada. O preço praticado em ingressos inteiros teria sido elevado para equilibrar as meia-entradas.

Procurados pela reportagem do iG para apurar se os preços dos ingressos serão reduzidos, a produtora de shows Time For Fun declarou que não irá se pronunciar. Já a rede de cinemas Cinemark disse por meio de sua assessoria que "não se pronunciará sobre a lei enquanto a mesma não for regulamentada e analisada".

As casas de show Espaço das Américas e Cine Joia, as produtoras XYZ Live e os cinemas Reserva Cultural e UCI não quiseram se pronunciar até o fechamento desta reportagem.

Leia tudo sobre: Estatuto da Juventudemeia-entradaingressocultura

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas