Exposição apresenta atual produção de quadrinhos adultos no Brasil

Por iG São Paulo , por Fernando Antonialli | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Em entrevista ao iG, curador Paulo Ramos fala sobre mostra HQBR1, que fica em cartaz até 10 de agosto e exibe trabalhos de Rafael Grampá e Lourenço Mutarelli, entre outros

Marcello Quintanilha/Divulgação
Ilustração de 'Sábado dos Meus Amores', livro de Marcello Quintanilha que está na HQBR21

Com a ideia de destacar as histórias em quadrinhos nacionais direcionadas ao público adulto, a mostra HQBR21 - O Quadrinho Brasileiro do Novo Século, no Sesc Belenzinho, apresenta um panorama histórico e estético desse cenário que se forma desde o início do anos 2000.

Formada por nomes conhecidos como Marcello Quintanillha e Lourenço Mutarelli, mas sem deixar de falar de trabalhos independentes, como os do coletivo Mundo Urbano (RS), a mostra fica em exibição até o dia 10 de agosto.

"A ideia era explicar o cenário contemporâneo da produção de quadrinhos adultos no País.". É assim que Paulo Ramos, professor do Departamento de Letras da Unifesp e curador da exibição, descreve a mostra. "É algo que ainda não havia sido feito numa exposição e é uma história praticamente desconhecida do grande público."

Para tanto, o professor - em parceria com Alcimar Mendes e Juliana Santos, do Núcleo da Imagem e da Palavra do Sesc Benlenzinho - realizou a mostra, que se encontra dividida em três segmentos: narrativas, independentes e webtirinhas.

O segmento narrativas destaca as produções mais longas, em forma de livro, também conhecidas como "graphic novels". Aqui estão trabalhos de Marcello Quintanillha, Rafael Grampá, Loureço Mutarelli e os gêmeos Fábio Moon e Gabriel Bá.

Já o independentes mostra fotolitos, “bonecos”, testes de impressão e de capa de coletivos de todo o Brasil, como Mundo Urbano (RS) e Beleléu (RJ).

Por final, webtirinhas conta com trabalhos lançados diretamente na internet, onde fazem sucesso em sites, blogs e redes sociais. Aqui, os nomes conhecidos são Allan Sieber, André Dahmer e Carlos Ruas.

Rafael Coutinho/Divulgação
Rafael Coutinho participa da exposição com 'Cachalote'

"Acreditamos que os três eixos sintetizam bem esse atual momento. São os álbuns com narrativas maiores, a autopublicação e o uso da internet, que revolucionou o processo de circulação de tiras no país", conta Paulo Ramos.

Siga o iG Cultura no Twitter

"Para muitos, ainda soa uma novidade saber que existe no País uma produção contemporânea adulta de quadrinhos e de ótima qualidade." O curador diz que os quadrinhos destinados a adultos ainda se encontram assossiados àqueles direcionados a crianças e jovens e, assim, não ficam conhecidos pelo grande público.

Outra falha que deixa as HQs adultas brasileiras ainda mais distantes é, segundo Ramos, o tratamento que recebem da mídia. "O comum na imprensa brasileira é ver nesse reconhecimento internacional uma espécie de chancela valorativa para aquele produto ou autor", diz Ramos.

Alguns dos autores brasileiros que já obtiveram sucesso internacional são Rafel Grampá, Fábio Moon e Gabriel Bá, Rafael Coutinho, Wander Antunes e Lelis, todos com obras na HQBR21.

HQBR21
Data: de 16 de maio até 10 de agosto
Local: Sesc Belenzinho (rua Padre Adelino, 1.000)
terça a sábado, das 10h às 21h
domingos e feriados, das 10h às 19h
entrada gratuita 

Leia tudo sobre: hqbr21paulo ramosigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas