Prefeito de São Paulo reconhece que houve aumento da violência na nona edição do evento

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, em balanço sobre a Virada Cultural
Jorge Rosenberg
O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, em balanço sobre a Virada Cultural

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, fez elogios à Virada Cultural mesmo reconhecendo que houve aumento do número de ocorrências policiais.

A 9ª edição do evento foi realizada entre as 18h de sábado (18) e as 18h de domingo (19), com mais de 900 espetáculos concentrados principalmente na região central da capital paulista.

Leia mais: Suplicy é furtado na Virada Cultural

Siga o iG Cultura no Twitter

"Houve mais ocorrências, mas houve um aumento do contigente para atendimento", afirmou Haddad em entrevista coletiva na qual compareceram ainda o secretário da Cultura da cidade, Juca Ferreira, e o coronel da PM Reynaldo Simões Rocha. Havia, segundo os organizadores, 1.400 homens da Guarda Civil Metropolitana e 3.400 policiais militares. "E mesmo assim houve uma percepção de que houve aumento de ocorrências", disse o prefeito.

Leia também: Racionais MC's criticam violência na Virada Cultural

Haddad compareceu a diversos shows da Virada, como o de Daniela Mercury , na abertura do evento, e o dos Racionais MC's , que voltaram à programação após seis anos sem participar. O prefeito destacou que Mano Brown fez uma crítica "às pessoas que colocaram a vida em risco ao subir numa marquise sem proteção para ver o show", testemunho que, segundo Haddad, é "o depoimento mais insuspeito, vindo de alguém que ficou anos sem participar do evento".

"Penso que o evento cumpriu a missão de promover a diversidade e a cultura ganhou. Foi uma das melhores Viradas de São Paulo, sob esse ponto de vista", ainda disse o prefeito. "A segurança foi o que mais preocupou, principalmente das 2h às 5h30 (de sábado)", afirmou Haddad.

Leia mais: Artistas ensinam técnicas de grafite na Virada Cultural

Segundo o balanço divulgado, 28 pessoas foram presas, com 19 flagrantes, e houve dois mortos durante o evento .

"Temos pessoas que vêm com motivações diversas ao evento, há muito abuso de álcool. Com o aumento do público, as ocorrências tendem a aumentar, mas não se sabe se por acidentes pessoais, álcool ou grupos numerosos", disse o coronel Reynaldo Simões Rocha.

Em meio aos elogios à primeira Virada Cultural sob gestão petista, Haddad disse: "Meus filhos participaram do evento deste ano e vão continuar participando".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.