Na nona edição, evento gratuito ocupará diversos pontos da região central da capital; Raça Negra, Daniela Mercury, Lobão, Emicida, Criolo e Racionais MC's estarão presentes

A Prefeitura de São Paulo investiu R$ 10 milhões de reais na realização da Virada Cultural deste ano, que acontece entre as 18h de sábado (dia 18) e as 18h de domingo (19), em São Paulo. O evento gratuito ocupará diversos pontos da região central da capital com atrações musicais, cortejos de manifestações populares, espetáculos de dança, números de humor, oficina de grafite e gastronomia com o projeto Chef na Rua, entre outras atrações.

Siga o iG Cultura no Twitter

A edição deste ano terá atrações musicais como Racionais MC's, Raça Negra, A Banca (projeto musical dos integrantes do Charlie Brown Jr. sem o vocalista Chorão), Criolo, Emicida, Banda Uó, Wanderléa, Céu, Fagner, Elza Soares em parceria com Gaby Amarantos, Daniela Mercury cantando com o Zimbo Trio, Gal Costa, Luiz Caldas, Otto, George Clinton e bandas de rock de Portugal ( saiba mais sobre os palcos aqui ).

A Virada Cultural estará em 120 locais da cidade com mais de 900 atrações. A grande novidade para este ano é a Viradinha Cultural, com atrações para crianças: shows acontecerão no palco Estação da Luz, teatro na praça Roosevelt, acampamento no Centro Cultural São Paulo e até uma discoteca para os pequenos em uma pista montada no Largo São Francisco.

Além dos palcos das praças e ruas e dos shows no Teatro Municipal e Mercado Municipal, várias unidades do Sesc estarão com programação especial para a Virada com atrações de teatro, música, circo, dança, cultura digital, artes visuais, literatura e cinema.

Virada Cultural pode ser transformada em lei

Neste ano, pela primeira vez a Virada Cultural tem um grupo de nove pessoas como curadores, que escolheram as atrações do evento.

O vereador Andrea Matarazzo, que apresentou um projeto na Câmara Municipal de São Paulo para transformar a Virada Cultural em lei, defende a curadoria coletiva como uma regra. "Fica sendo obrigado a ter curadoria coletiva para preservar sempre a qualidade", explica.

O grupo Raça Negra
Divulgação
O grupo Raça Negra

"É importante transformar a Virada Cultural em política pública para manter suas características principais", defende Matarazzo, em relação à troca de gestões da prefeitura. "Queremos que 20% das atrações sejam de grupos e pessoas que não participaram de edições anteriores, para dar oportunidade a novos talentos e forçar a criatividade do curador."

"É uma iniciativa interessante, e mais legal seria se a população cobrasse mais do que uma lei e se apropriasse da Virada Cultural", disse Karen Cunha, assessoria da Secretaria de Cultura de São Paulo.

Sobre a segurança do evento, Cunha afirma que o número de policiais militares e civis será maior do que o dos anos anteriores, e terão ajuda de seguranças contratados.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.