Sebastião Salgado fotografa natureza selvagem em oito anos de trabalho

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

"Gênesis" é o nome da exposição do fotógrafo brasileiro, em exibição na Inglaterra a partir desta quinta-feira (11)

Reuters

O fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado expõe a partir desta quinta-feira (11), em Londres, a exibição "Gênesis", no Museu de História Natural. A mostra tem imagens marcantes de florestas tropicais, geleiras, pinguins da Antártica e tribos indígenas, como a brasileira Zo'é e a siberiana Nenets.

O artista levou oito anos para fotografar o material em exibição. "Parece muito tempo, porque para nós, o tempo passa muito rápido e oito anos parece muito, mas não é na velocidade do planeta, na velocidade de natureza, não é nada, oito anos não é nada", afirmou o fotógrafo.

A exposição é a terceira grande exploração de Salgado sobre as questões globais, seguindo sua aclamada série "Trabalhadores e Migrações", que ele espera ajudar as pessoas a refletir sobre a natureza de uma forma diferente: "Eu queria apresentar lugares que não foram tocados e que permanecem intactos até hoje. Eu quero que as pessoas vejam o nosso planeta de outra forma, sintam-se comovidas e se aproximem disso".

Suzanne Plunkett/Reuters
Sebastião Salgado na mostra "Gênesis"

Salgado, que também é embaixador da Boa Vontade do Unicef, viajou para 32 países, incluindo a República Democrática do Congo, Equador e Madagascar, para ajudar a destacar o delicado equilíbrio das relações humanas com a natureza e a situação de algumas das comunidades indígenas do mundo.

Um dos últimos de uma geração de fotógrafos tradicionais que imprimem fotografias, Salgado, de 69 anos, considerou fácil a transição do filme para o digital, mas admite que ainda edita suas fotos à moda antiga, usando folhas de contato. "Eu não sei como editar em um computador. Eles fizeram folhas de contato para mim e eu fiz isso como sempre fiz a minha vida toda", disse ele.

"Eu não tenho Facebook, Twitter... Eu não sei como ligar um computador. Há outras coisas. Eu sou de uma geração que viu outras coisas. Eu realmente não faço parte disto. Ainda não. Provavelmente um dia eu farei", acrescentou ele.

Salgado não mostra sinais de diminuir o ritmo, apesar de sua idade, com uma agenda cheia de viagens ao Brasil, Sumatra, Nova Guiné e Tanzânia para vários projetos. Mas espera voltar à Grã-Bretanha para visitar a Escócia: "Foi provavelmente a luz mais bonita que eu já vi em toda a minha vida para preto e branco".

Por enquanto, Salgado está satisfeito com suas conquistas. "Toda a minha vida, eu tentei fazer minhas fotos, completamente em coerência com o meu modo de vida, com a minha ética, com as ideologias, e eu tive conforto tirando minhas fotos."

Leia tudo sobre: sebastião salgadofotografia

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas