Cantor Emílio Santiago morre aos 66 anos no Rio de Janeiro

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Músico famoso por canções como “Transa de Amor”, “Saravá Negra” e “Saygon” sofreu AVC em março e ficou 20 dias internado

O cantor Emílio Santiago morreu às 6h30 desta quarta-feira (20), aos 66 anos, no Rio de Janeiro. Famoso por canções como "Transa de Amor", "Saravá Negra" e "Saygon", o músico teve complicações no quadro clínico de acidente vascular cerebral, que sofreu em 7 de março. Desde então, estava internado no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro.

O velório foi aberto ao público ao meio-dia na Câmara dos Vereadores do Rio. O enterro acontecerá nesta quinta-feira, às 11h, no Cemitério do Caju.

Siga o iG Cultura no Twitter

Morreu na madrugada desta quarta-feira (20) o cantor Emílio Santiago. Foto: Selmy YassudaO cantor Emílio Santiago. Foto: Selmy YassudaEmílio Santiago em sua casa, no Rio. Foto: Selmy YassudaO cantor Emílio Santiago. Foto: Selmy YassudaO cantor Emílio Santiago. Foto: igO cantor Emilio Santiago. Foto: Selmy YassudaEmílio Santiago em show em 2010. Foto: Divulgação

Nascido no Rio de Janeiro em 6 de dezembro de 1946, Santiago nasceu em uma família humilde e foi adotado quando tinha seis dias de vida. Chegou a se formar em Direito, como queriam seus pais. Porém, apaixonado por música, começou a participar de festivais e programas de televisão como "A Grande Chance", apresentado por Flávio Cavalcanti.

Em 1973 gravou o primeiro compacto, "Transas de Amor", e em 1975 lançou o disco "Emílio Santiago", produzido por Durval Ferreira. Passou a fazer shows em casas do Rio de Janeiro e de São Paulo e, depois, em outros Estados do Brasil.

Em 1988 foi convidado por Roberto Menescal e Heleno Oliveira para fazer "Aquarela Brasileira", uma série de discos que reúnem releituras de clássicos brasileiros. Foi com esse trabalho que se tornou um nome conhecido nacionalmente e começou a ganhar prêmios e ter canções na trilha sonora de novelas.

Entrevista ao iG: Emílio Santiago critica MPB atual: "É tudo muito cool"

O álbum mais recente, "Só Danço Samba", foi lançado em 2010 e comemorou seus 40 anos de carreira. O disco reúne canções consagradas como "Samba de Verão"e "Na Onda do Berimbau", além de músicas recentes compostas por Jorge Aragão e Mart'náia.

Em entrevista ao iG na ocasião do lançamento do álbum, Santiago criticou a pasteurização dos intérpretes da MPB. “Na minha geração, na hora se identificava quem estava cantando no rádio. Agora não é mais assim”, afirmou.

Questionado sobre o motivo de não ter se engajado no movimento gay, ele disse: "Não quis e nem quero levantar bandeira. Sempre tive minha vida de forma muito natural. Sou totalmente liberto de qualquer preconceito, medo ou receio sobre este aspecto. Nunca me escondi. Sou autêntico com minha vida."

Leia tudo sobre: Emílio Santiagomorte

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas