Bailarino do Bolshoi que interpretava vilões confessa ataque com ácido

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Pavel Dmitrichenko disse que cometeu o crime por ter ficado frustrado com exclusão de sua parceira de papéis principais

Reuters

Reuters
Pavel Dmitrichenko durante performance em "Ivan, O Terrível"

Um bailarino do Teatro Bolshoi que ficou famoso interpretando vilões confessou ter ordenado o ataque com ácido que quase cegou o diretor da companhia. Ele cometeu o crime por ter ficado frustrado com a exclusão de sua parceira de papéis principais.

Pavel Dmitrichenko, que dançou no papel do monarca louco do balé "Ivan, o Terrível", e o vilão em "O Lago dos Cisnes", foi detido na terça-feira (dia 5) pelo crime que chocou a Rússia e danificou a reputação do teatro mundialmente famoso.

Abatido e desarrumado, Dmitrichenko apareceu em um vídeo da polícia confessando ter planejado o ataque em que um homem mascarado jogou ácido sulfúrico no rosto de diretor artístico Sergei Filin, na noite de 17 de janeiro.

"Eu organizei este ataque, mas não na medida em que aconteceu", disse, no que aparentemente significa que ele não tinha a intenção de que o ataque fosse tão sério.

Dois outros homens que não tinham ligação conhecida com o Bolshoi também confessaram no vídeo divulgado pela polícia. Um deles disse que tinha jogado o ácido em Filin, e outro que tinha dirigido o carro de fuga.

Leia também: Diretor do Bolshoi vai se recuperar na Alemanha após ataque

AP
O diretor do Bolshoi, Sergei Filin, ao deixar hospital

Dmitrichenko, que está na casa dos 20 anos, disse que tinha dado as razões para o ataque em uma declaração por escrito para a polícia, mas não disse quais eram para a câmera.

Siga o iG Cultura no Twitter

Uma fonte no Bolshoi confirmou as informações da mídia de que o bailarino estava com raiva porque sua parceira, a bailarina Anzhelika Vorontsova, tinha perdido papéis importantes, incluindo a de protagonista em Lago do Cisne. "Filin certamente cortou Vorontsova, mas isso não é motivo para jogar ácido no rosto de alguém", disse a fonte à Reuters, sob condição de anonimato.

Antes de ir à Alemanha no mês passado para salvar a visão, Filin, de 42 anos, disse acreditar que sabia quem estava por trás do ataque e que pensava que era relacionado a seu trabalho. Ele está se recuperando e deve voltar ao trabalho neste semestre.

Leia também: Ferido, diretor do Balé Bolshoi diz que perdoa agressores

A direção do Bolshoi, que se recusou a fazer qualquer comentário na quarta-feira, tinha esperanças de que ninguém da companhia de balé estivesse envolvido no ataque. O teatro está agora em crise.

Dmitrichenko, que nasceu em Moscou em uma família de dançarinos, estava no Bolshoi desde 2002 e dançaria em "A Bela Adormecida" neste mês. Ele pode pegar prisão e encarar o fim de sua carreira de dança.

Leia tudo sobre: bolshoisergei filinbalé

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas