Obra de Banksy em Londres desaparece e é leiloada em site dos EUA

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Mural do artista gráfico que estava em lateral de loja está à venda em Miami por preço estimado entre R$ 970 mil e R$ 1,3 milhão

BBC

Reprodução
A obra de Banksy que desapareceu em Londres

Um mural do artista gráfico Banksy, pintado pouco antes das comemorações do Jubileu de Diamante da rainha Elizabeth 2ª em 2012, desapareceu de uma rua de Londres e foi colocado à venda em um site de leilões americano.

A obra mostra um menino agachado ao lado de uma máquina de costura fazendo bandeirolas britânicas. Ela desapareceu da lateral de uma loja Poundland, em Wood Green, no norte de Londres. O trabalho está agora à venda em Miami, por um preço estimado entre R$ 970 mil e R$ 1,3 milhão.

Um representante da administração do bairro, Alan Strickland, disse que os moradores estão "furiosos" com a remoção e deram início a uma campanha pelo retorno da obra ao seu local de origem. "Os moradores ficaram chocados e muito surpresos", disse à BBC. "Banksy deu aquela obra para a nossa comunidade e as pessoas vinham de toda a cidade para vê-la."

Leia também: Mostra de grafite em São Paulo tem obras feitas na hora; veja vídeo

O site Fine Art Auctions, em Miami, descreveu o trabalho como "estêncil e tinta spray em interpretação das tradicionais bandeirolas do Jubileu".

A empresa rejeitou as acusações de que o mural teria sido roubado, dizendo que a obra veio de um "colecionador muito conhecido", que assinou um contrato afirmando que tudo estava "por cima do balcão" (feito legalmente).

O trabalho havia aparecido na Avenida Whymark, em Wood Green, em maio do ano passado. Acredita-se que seja um comentário sobre o uso de trabalho informal de menores.

O professor Paul Gough, que estuda arte de rua, afirmou que a obra é muito provavelmente um original de Banksy, que trabalha no anonimato e raramente assume seus trabalhos.

Leia também: Artista faz campanha para salvar grafite em prédio de São Paulo

Representantes da loja Poundland, cujo muro lateral foi usado pelo artista, receberam bem a obra dizendo que eram "fãs de Banksy", mas rejeitando as sugestões de que eram o alvo da sátira.

"A Poundland tem um código claro de conduta para todos os nossos fornecedores e uma postura ética firme sobre questões de trabalho", disse Tim McDonnell, o diretor de varejo da empresa.

Siga o iG Cultura no Twitter

Strickland diz que moradores do bairro afirmaram ter percebido andaimes em volta da loja na última quarta-feira. "Os andaimes e lonas foram retirados na sexta-feira e no sábado moradores notaram que, onde estava a obra de Banksy, agora havia um buraco na parede."

Número de roubos

A Poundland disse que não é responsável por "vender nem remover o mural de Banksy" e afirmou que não é dona do edifício onde fica a loja. Os donos da propriedade foram localizados e a autoridade local está tentando contactá-los para saber se o trabalho foi retirado legitimamente do muro. Moradores também estão organizando uma campanha por e-mail, pedindo que o site de leilões desista da venda.

O trabalho de Banksy tem sido alvo de uma série de roubos ao longo dos anos. Em maio de 2010, duas obras foram roubadas de uma galeria de arte em Londres, depois que um homem usou uma placa de rua para quebrar a vitrine da galeria.

Um ano depois, uma obra conhecida como Alarme de sêmen foi arrancada do muro de um hotel no centro de Londres e apareceu no site eBay à venda por cerca de R$ 51 mil. A obra nunca foi recuperada.

Leia tudo sobre: banksygrafite

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas