Dona Canô morre aos 105 anos

Mãe de Caetano Veloso e Maria Bethânia, baiana foi registrada no documentário "Pedrinha de Aruanda", de Andrucha Waddington

iG São Paulo | - Atualizada às

Claudionor Viana Teles Velloso, a Dona Canô, morreu na manhã desta terça (25) aos 105 anos. A mãe de Caetano Veloso e Maria Bethânia estava em sua casa, localizada na cidade de Santo Amaro da Purificação, no Recôncavo Baiano.

O velório público acontece no Memorial Caetano Veloso, na mesma cidade onde a matriarca dos Veloso morava. Às 9h de quarta-feira (26), acontece na Igreja da Matriz na Praça da Purificação a missa. Após a celebração, o corpo de Dona Canô será enterrado no cemitério local.

Dona Canô recebeu alta de sua última internação na sexta-feira (21). Ela deu entrada no hospital São Rafael, em Salvador, após sofrer uma isquemia cerebral transitória em 15 de dezembro.

A matriarca nasceu no dia 16 de setembro de 1907 em Santo Amaro da Purificação, na Bahia. Foi casada durante 53 anos com José Telles Veloso, o Zezinho, morto em 1983. Tornou-se conhecida em todo o Brasil principalmente graças a dois de seus oito filhos, dois dos nomes mais importantes da música brasileira.

Ambos prestaram homenagem à mãe em vários momentos de sua carreira. O espetáculo "Amor Festa Devoção", que Bethânia apresentou em 2010, por exemplo, foi inteiramente dedicado a Dona Canô.

AE
Caetano Veloso e Dona Canô

Siga o iG Cultura no Twitter

Sua relação com os dois filhos famosos é retratada em "Pedrinha de Aruanda", documentário sobre Maria Bethânia dirigido por Andrucha Waddington.

O filme retrata alguns momentos de intimidade de Dona Canô com seus dois filhos, inclusive com imagens dos três cantando despreocupadamente na varanda de casa.

É que, apesar de ter nascido numa família pobre, ela estudou no Colégio das Sacramentinas, o melhor de Santo Amaro. Lá, aprendeu a falar francês e a tocar piano. Foi a grande responsável por incentivar o gosto pela arte nos filhos.

Leia também: Caetano Veloso completa 70 anos: veja fotos de sua carreira

Viveu toda a vida em Santo Amaro da Purificação e, mesmo depois da fama dos filhos, continuou morando na mesma casa, no número 179 da Avenida Ferreira Bandeira.

Mas, atrás da figura simples que dizia não entender porque era conhecida em todo o país, estava uma mulher que conheceu algumas das figuras mais poderosas do Brasil.

Em julho de 2011, por exemplo, o ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva fez questão de ir até a sua casa para cumprimentá-la. Na ocasião, ela entregou a ele um projeto de despoluição do rio Subaé, que corta Santo Amaro da Purificação.

Lu Lacerda: O porquê das muitas reverências à Dona Canô

    Leia tudo sobre: dona canôculturacaetano velosomaria bethânia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG