"De repente começou a ficar quietinho, quietinho", afirma viúva de Niemeyer

Vera Lúcia fala sobre os últimos momentos do arquiteto brasileiro

Raphael Gomide - iG Rio de Janeiro | - Atualizada às

Luiz Roberto Lima/Futura Press
Vera Lúcia, mulher de Oscar Niemeyer, no hospital Samaritano, no Rio

Viúva de Oscar Niemeyer, morto na noite de quarta-feira (dia 5), Vera Lúcia contou que o arquiteto passou a maior parte da internação lúcido e relativamente ativo, mas que nos últimos dias seu ânimo e estado geral pioraram.

"Ele estava lúcido. Falava em trabalho, em alguns projetos. Estava tendo uma reação boa. Mas, de repente, começou a ficar quietinho, quietinho, quietinho", contou a viúva.

Entrevista: "A vida é um sopro", diz Oscar Niemeyer
Veja: A trajetória profissional e política do homem que revolucionou a arquitetura
Opinião - Oscar Niemeyer: o maior do século 20
Infográfico: Niemeyer em 24 obras
Análise - Oscar Niemeyer: a redescoberta da curva na arquitetura
Repercussão: Brasil lamenta morte; Dilma diz que País "perdeu um dos seus gênios"
Frases: 'Para mim o importante é a vida, conhecer as pessoas, haver solidariedade'
Opinião: Niemeyer fez do modernismo identidade brasileira, diz crítico americano
Obra - Especialistas veem 'esgotamento' criativo em obras de Niemeyer

Isso só ocorreu no dia da morte. As conversas praticamente cessaram e o velho arquiteto fechou-se. As brincadeiras com o enfermeiro, com quem prometera escrever um samba , e os pedidos de pastel e café deixaram de acontecer. Na noite de quarta, Niemeyer morreu.

"Perdi a pessoa de quem mais gostava no mundo, que amei. Vai ser difícil, mas o tempo passa. Estou muito fragilizada", disse Vera Lúcia.

A viúva afirmou que pretende editar a revista em que estavam trabalhando juntos e um livro, último pedido do arquiteto.

Perguntada sobre como gostaria que Niemeyer fosse lembrado, ela disse: "Como uma pessoa digna, honesta e amiga."

    Leia tudo sobre: oscar niemeyer

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG