De acordo com seus diretores, medida poderia tirar coleções históricas da França

Reuters

As principais galerias de arte de Paris e o Palácio de Versalhes tiveram peso contra uma tentativa impopular de incluir as obras de arte em um imposto sobre fortunas, queixando-se em uma carta ao governo que tal medida poderia tirar coleções históricas da França.

Fachada do Museu do Louvre, Paris, 2012
Getty Images
Fachada do Museu do Louvre, Paris, 2012

O jornal Libération publicou um trecho da carta que disse ter sido assinado pelos chefes do Louvre, Versailles, Musée d'Orsay, Centro Pompidou, entre outros, e enviada para a ministra da Cultura e o presidente François Hollande, dizendo que o imposto iria esmagar o mundo da arte.

"Há um risco de que a França irá contribuir para o desaparecimento das coleções históricas que foram passadas através das gerações", afirma a carta publicada no jornal, que foi escrita na sexta (12) e também tem a assinatura de vários prefeitos.

Porta-vozes das várias galerias de arte não puderam ser encontrados para comentar.

Vênus de Milo, uma das obras expostas no Museu do Louvre, em Paris
Getty Images
Vênus de Milo, uma das obras expostas no Museu do Louvre, em Paris

Siga o iG Cultura no Twitter

Nesta (16), o primeiro-ministro francês, Jean-Marc Ayrault, aparentemente deu fim à tentativa de incluir obras de arte avaliadas em mais de € 50 mil (R$ 131 mil) em ativos usados para calcular a fortuna de uma pessoa, afirmando que o governo socialista foi contra a inclusão.

"Obras não serão incluídas no cálculo do imposto sobre a fortuna. Essa é a posição do governo", disse ele à rádio Europe 1.

Mas o ministro do Orçamento, Jerome Cahuzac, advertiu que a proposta ainda não foi sepultada. "Nós vamos ter uma conversa franca com o grupo socialista. É possível um governo ser derrotado por sua maioria parlamentar", afirmou à rádio France Inter.

Atualmente, apenas ativos como imóveis ou poupança contam para o imposto sobre fortunas. Ativos líquidos de mais de € 1,3 milhão (R$ 3,4 milhões) são tributados em 0,25 % acima do imposto de renda, e a taxa dobra para 0,5 % para os ativos acima de € 3 milhões (R$ 7,9 milhões).

A ideia do parlamentar de esquerda Christian Eckert de incluir obras de arte ganhou o apoio do Comitê de Finanças da Câmara Baixa, provocando gritos de indignação no momento em que o mundo da arte de Paris se prepara para a abertura de sua mostra anual de arte, a FIAC.

A ministra da Cultura, Aurelie Filippetti, disse na semana passada que o governo se opôs à proposta de emenda ao orçamento de 2013.

Com uma longa tradição de apoio público às artes, a França tem poupado obras de arte do imposto sobre a riqueza desde que o ex-presidente François Mitterrand introduziu o imposto, em 1982.

Prefeitos incluindo Martine Aubry, de Lille, e Betrand Delanoe, de Paris, disseram que os colecionadores de arte foram vitais para incentivar a criação artística e preservar a riqueza artística da França, segundo o Libération.

O primeiro orçamento de Hollande já irritou os ricos pela imposição de um novo imposto de 75 % sobre a renda acima de € 1 milhão (R$ 2,6 milhões) e ele teve de prometer uma isenção para os proprietários de pequenas empresas em um novo aumento de impostos sobre ganhos de capital, após um protesto online.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.