MTV apresenta VMB 2012 e busca equilíbrio entre humor e música

Depois de período dominado por humorísticos, canal pretende reencontrar vocação musical

Guss de Lucca - iG São Paulo | - Atualizada às

Em atividade no país desde 1990, a MTV Brasil viveu muitas fases, protagonizadas tanto por nomes como Astrid Fontenelle, Marcos Mion e Daniela Cicarelli, quanto por mudanças em sua programação, como a abertura para clipes de pagode e o domínio dos programas humorísticos.

Poucos dias antes do VMB 2012 , maior evento de seu calendário, o diretor de programação da MTV, Zico Góes, conversou com o iG sobre o atual momento da emissora, que busca um "equilíbrio entre o humor e a música".

Leia também:  VMB chega à maioridade equilibrando voto popular e academia

Kelly Fuzaro/MTV
"Todo ano entra um cara novo e todo ano sai um cara velho da audiência da MTV", diz Zico Góes

"A MTV talvez seja a emissora mais dinâmica do mundo - no Brasil certamente. Isso porque ela se propõe a mudar o tempo todo, assim como o grosso de sua audiência. O sujeito fica velho e vai embora", disse Zico, ligando a evolução do canal com o aumento dos "órfãos da MTV".

"Cada vez mais ouvimos pessoas dizendo 'na minha época tinha a Astrid, o João Gordo, Hermes e Renato', mas essa época passou, assim como essas pessoas já passaram. A MTV é para um público mais jovem. Todo ano entra um cara novo e todo ano sai um cara velho", completa.

De acordo com ele, uma das principais mudanças na postura da emissora teve início no final da década de 1990, com o aumento do uso da internet. "Antes a MTV podia dizer que era o único canal exclusivamente jovem, que aqui você vê tudo antes sobre música. Com o crescimento da internet isso já não é mais verdade. E a MTV naturalmente mudou o discurso."

Siga o iG Cultura no Twitter

AgNews
A cantora Tulipa Ruiz

Ciente de que não era mais o "único canal jovem", a direção da emissora foi obrigada a encontrar outras vocações para MTV. "Somos o canal que mais propõe formatos de programas diferentes, que mais conseguiu se inserir no mundo digital - têm emissoras brigando com a internet até hoje. Já que aqui você não vê mais tudo antes, pelo menos vê o que tem de melhor. Fazemos um trabalho de garimpo."

Nesse período os clipes perderam espaço para outras atrações. "O videoclipe sempre foi o esteio da programação, mas outras coisas surgiram, programas de namoro, viagem, debates, humor... Isso significa que o videoclipe perdeu um pouco de espaço, o que era natural."

"Teve um momento em que o humor ficou mais importante do que tudo, e não foi de caso pensado. É que apareceu um sujeito como o Adnet na televisão e não tinha como ficar indiferente. Ele produz muito e se integrou muito fácil à MTV - assim como a turma dele", disse Zico.

Para o diretor de programação, a volta da música começou em 2011, quando a MTV se propôs a buscar um equilíbrio na programação. "Era o momento de voltar para a cena musical, pois ela estava pedindo isso, que a gente voltasse a ser curador musical".

Divulgação
O cantor Criolo

Leia também: Restart lança CD e DVD, planeja filme e investe no mercado latino

"De três anos para cá bandinhas muito adolescentes e de uma qualidade 'mais ou menos' conseguiram bastante espaço. Ao mesmo tempo estavam pintando nomes como o Emicida, o Criolo, a Tulipa Ruiz, que não são campeões de audiência, mas representam uma música mais filtrada, e a MTV achou que essa garotadinha precisava conhecer - nada contra bandas como o Restart."

Leia também: Criolo e Emicida fazem o primeiro grande show do ano em São Paulo

De acordo com a assessoria da MTV, a programação atual da emissora se divide em 60% de videoclipes, 20% de programas musicais e 20% de humor e variedades.

No Brasil e no mundo

A MTV está presente em diversos países do mundo. Em alguns, como emissora local; em outros, sendo retransmitida a partir de outros territórios.

Divulgação
Imagem da série "The Osbournes"

Na América do Sul, por exemplo, apenas Brasil, Argentina e Colômbia possuem MTVs próprias. Porém, a emissora colombiana é retransmitida para países como Peru, Chile, Equador, Bolívia e Venezuela, enquanto a Argentina contempla o Paraguai e o Uruguai.

De forma semelhante países asiáticos, europeus e africanos que não possuem uma MTV local recebem o sinal de nações próximas.

No caso específico do Brasil, a programação é cada vez mais diferente da matriz norte-americana. "A partir de 1995, momento em que a MTV Brasil lançou programas como Rock e Gol, Barraco e o próprio VMB, ela começou a criar uma MTV diferente no mundo. Ao mesmo tempo, a programação da MTV dos EUA caminhou para outra direção, longe do que estávamos fazendo", disse Zico Góes.

O diretor de programação da MTV Brasil diz que eventualmente alguma atração da emissora norte-americana se encaixa na proposta dos brasileiros e é utilizada. "Existia a possibilidade de usar a programação deles, como aconteceu com o seriado 'The Osbournes'. Aquilo era o tipo de série que tinha tudo a ver com o Brasil naquele momento. Mas hoje somos muito, mas muito diferentes".

Leia também: Antes da festa, relembre os melhores momentos do VMB

    Leia tudo sobre: MTVZico GóesAdnettelevisão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG