Centenário de Jorge Amado: Os melhores livros, filmes e programas de TV

Autor de 23 romances, escritor é o brasileiro mais adaptado para o cinema e a televisão

Augusto Gomes , iG São Paulo | - Atualizada às

Jorge Amado, que tem seu centenário comemorado nesta sexta-feira (10), é um dos escritores mais populares do Brasil. Dono de uma obra extensa - 23 romances, além de memórias, contos, biografias e obras infantis -, o baiano é o segundo escritor brasileiro mais vendido de todos os tempos (com estimados 50 milhões de livros), atrás apenas de Paulo Coelho (140 milhões).

Nascido no sul da Bahia em 12 de agosto de 1902, Amado publicou seu primeiro livro, "O País do Carnaval", em 1930. A partir de "Suor" (1934), seu nome tornou-se conhecido. Seguiram-se então os sucessos "Jubiabá" (1935), "Mar Morto" (1936) e "Capitães da Areia" (1937).

Suas primeiras obras tinham forte teor político e social, e tratavam de temas como o cotidiano de menores infratores ("Capitães da Areia"), o drama dos retirantes de seca ("Seara Vermelha") e a vida das classes baixas em Salvador ("Suor", "Jubiabá").

Leia também: Brasil celebra a obra de Jorge Amado em seu centenário

Sua atuação política não se limitou aos livros. Foi membro do Partido Comunista e, em 1945, elegeu-se deputado federal. 

A partir da década de 1950, seus livros passaram a enfocar também o misticismo da Bahia e a sexualidade. São dessa época obras como "Gabriela, Cravo e Canela" (1958), "Dona Flor e Seus Dois Maridos" (1966), "Tenda dos Milagres" (1969) e "Tieta do Agreste" (1977).

Leia também: Jorge Amado e Nelson Rodrigues são homenageados na Bienal do Livro

Jorge Amado morreu em agosto de 2001, aos 88 anos. Na época, já havia sido traduzido em quase 50 idiomas e conquistado alguns dos mais importantes prêmios literários do planeta, como o Camões, em 1995.

A seguir, o iG selecionou os melhores filmes e programas de TV baseados na obra de Jorge Amado, além de alguns de seus livros.

Jorge Amado em livro

1. "Gabriela, Cravo e Canela" (1958)
Escrito quando Amado já era um autor consagrado, o livro enfoca o machismo e a opressão da mulher através da história da sensual Gabriela.

2. "Capitães da Areia" (1937)
Um relato brutal do cotidiano de um grupo de menores abandonados em Salvador, o livro provocou polêmica na época de seu lançamento por sua narrativa franca.

3. "Terras do Sem Fim" (1943)
Boa parte da obra de Amado se passa no sul da Bahia. Este livro é o que melhor retrata a economia do cacau, que enriqueceu a região no início do século 20.

Divulgação
Cena de "Dona Flor e Seus Dois Maridos"

Jorge Amado no cinema

Até a estreia de "Tropa de Elite 2", em 2011, a maior bilheteria da história do cinema brasileiro era uma adaptação de uma obra de Jorge Amado: "Dona Flor e Seus Dois Maridos", dirigida por Bruno Barreto em 1976.

Barreto ainda dirigiria, em 1983, uma versão de "Gabriela, Cravo e Canela". No papel principal, a mesma estrela de "Dona Flor", Sonia Braga. Ao lado dela, o astro italiano Marcello Mastroianni, no papel de Nacib.

Antes, outros livros do escritor já haviam sido transformados em filmes ( incluindo até uma versão em inglês de "Capitães da Areia", que virou "The Sandpit Generals" em 1971 ), mas nenhuma com tanto sucesso quanto "Dona Flor".

Os recordes de bilheteria do longa provocaram uma febre de adaptações. Em 1977, Nelson Pereira dos Santos dirigiu "Tenda dos Milagres" e, em 1979, o francês Marcel Camus (de "Orfeu Negro") assinou "Os Pastores da Noite". Nos anos 1980 e 1990, em compensação, a obra de Amado não teve sorte no cinema. "Jubiabá" (1986) é um dos piores filmes de Nelson Pereira dos Santos, enquanto a "Tieta do Agreste" de Cacá Diegues não chega aos pés da novela da Globo.

Mas, nos últimos anos, seus livros voltaram a ganhar força na telona. Primeiro, com o ótimo "Quincas Berro d'Água" (2010), de Sérgio Machado. Depois, com o "Capitães da Areia" (2011) dirigido por Cecilia Amado, neta do escritor.

A próxima produção da lista será "Velhos Marinheiros ou o Capitão de Longo Curso". Baseado no livro de mesmo nome de 1961, o filme traz o português Joaquim de Almeida no papel principal e tem estreia prevista para 2013.

As melhores adaptações:

1. "Dona Flor e Seus Dois Maridos" (1976)
Segundo maior sucesso da história do cinema brasileiro, transformou Sonia Braga na principal estrela (e maior símbolo sexual) do cinema brasileiro.

2. "Quincas Berro d'Água" (2010)
Ótima comédia de Sérgio Machado (de "Cidade Baixa"), com Paulo José no papel do morto que é retirado do leito para uma última farra.

3. "Tenda dos Milagres" (1977)
Um bom trabalho de Nelson Pereira dos Santos, das obras-primas "Rio 40 Graus" e "Vidas Secas", com altas doses de sexualidade e sincretismo religioso.

Reprodução
Sonia Braga em "Gabriela"

Jorge Amado na TV

No ano de seu centenário, Jorge Amado está na televisão: a série "Gabriela", com Juliana Paes, Humberto Martins e Antonio Fagundes nos papéis principais, é exibida atualmente na Rede Globo.

É a terceira adaptação do mesmo livro para a televisão. A versão de 1975, que transformou Sonia Braga na maior estrela do Brasil, é conhecida por todos - e faz a "Gabriela" atual passar vergonha.

Mas houve também uma adaptação em 1960, dirigida por Mauricio Sherman e com a hoje esquecida Janete Vollu como Gabriela.

Outras séries da Globo baseadas em livros de Amado são "Tenda dos Milagres" (1985), "Tereza Batista" (1992), "Dona Flor e Seus Dois Maridos" (1998) e "Pastores da Noite" (2002).

A obra do escritor também serviu de base para três novelas: "Terras do Sem Fim" (1981), "Tieta" (1989) - depois da "Gabriela" de 1975, a melhor adaptação de Amado para a televisão - e "Porto dos Milagres" (2001). A emissora ainda produziu, em 1978, o caso especial "A Morte e a Morte de Quincas Berro d'Água", com Paulo Gracindo no papel principal.

Na Manchete, ainda houve a novela "Tocaia Grande" (1995) e, na Bandeirantes, a minissérie "Capitães da Areia" (1989).

As melhrores adaptações:

1. "Gabriela" (1975)
Dirigida por Walter Avancini, a série "Gabriela" tem altas doses de humor e sensualidade. E também uma ótima trilha sonora e a beleza de Sonia Braga.

2. "Tieta" (1989)
Uma das melhores novelas de Walter Avancini. Aqui, o humor dá o tom, em especial na presença da vilã Perpétua (Joana Fomm). Recentemente, saiu em DVD.

3. "A Morte e a Morte de Quincas Berro d'Água" (1978)
Este caso especial, exibido em 1978, é marcante por trazer uma das melhores atuações de Paulo Gracindo. Também está disponível em DVD.

    Leia tudo sobre: Jorge AmadoLivrosCinemaTelevisão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG