Musical revê 50 anos de produção de Milton Nascimento

Criado pela dupla Charles Möeller e Claudio Botelho, "Nada Será Como Antes" estreia no Rio de Janeiro

Agência Estado |

Agência Estado

AgNews
Milton Nascimento

Foram seis anos de namoro. Mas a paixão de Charles Möeller e Claudio Botelho pela obra de Milton Nascimento vem da adolescência, quando "Milton era praticamente uma doença" para eles.

O compositor retribui: é fã dos musicais da dupla - só "Beatles Num Céu de Diamantes" viu oito vezes. A ideia de montar um espetáculo como aquele, as canções como fio da meada, acabou aventada pelos três. 

Leia também:  Milton festeja 50 anos de carreira em show emocionante, mas irregular

Revista musical sem texto, "Nada Será Como Antes" resulta de pesquisa de 50 anos de produção de Milton Nascimento com diversos parceiros. Estreia quinta no Teatro Tereza Rachel, o mesmo espaço que, há sete anos, servia de quartel-general das empreitadas de Möeller e Botelho.

As letras suscitam situações interpretadas por onze atores, dez trazidos de elencos anteriores. Não se fez audição. "Como cantar Milton se ele próprio já cantou?", perguntou-se Möeller. "Musical tem uma embocadura específica. Queríamos vozes de MPB", explica Botelho. Nas seis semanas de preparo, exigiu-se mais do que o já intrincado cantar-interpretar-dançar dos musicais: as catorze pessoas em cena ainda tocam instrumentos como piano, percussão, violão...

Möeller teve o estalo: dividir as 48 músicas selecionadas - clássicos e lados B - em estações do ano. As mais animadas, como "Bola de Meia, Bola de Gude" e "Aqui é o País do Futebol", compõem o momento verão; já o "vento solar" da criação artística de "Um Girassol da Cor do Seu Cabelo" e "Nuvem Cigana" remete à primavera. A densidade de "Caçador de Mim" e "Encontros e Despedidas" combinam, na visão deles, com o outono; o inverno, com "Nada Será Como Antes" e "Canto Latino".

É a 33º peça da dupla, em 22 anos. Ante a opulência de "O Mágico de Oz", a singeleza: o cenário é um casarão mineiro, com pinturas nas paredes, móveis de fazenda e certa atmosfera barroca, sem exagero. Os figurinos têm um cheiro anos 70, com cara de brechó hippie. É um desafio bem maior "do que botar gente voando e anõezinhos em cena", garante Botelho. "O simples pode parecer mais fácil, mas ele te desnuda. Nesse ponto da carreira, é bom nos reconstruirmos, é um morrer para germinar", considera Möeller.

Nada Será Como Antes
Teatro Net Rio
Rua Siqueira Campos 143, Copacabana
Telefone: 21 2147 8060
Quinta a sábado, 21h; domingos, 20h
Ingressos: R$ 80 a R$ 110
Até 25 de novembro

    Leia tudo sobre: NACIONALVARIEDADE

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG