Obras foram avaliadas em R$ 1,7 bilhão; especialistas encontraram até um bilhete escrito pelo artista

Tela 'San Giovanni Battista', de Caravaggio
Divulgação
Tela 'San Giovanni Battista', de Caravaggio

Especialistas italianos anunciaram a descoberta de cerca de 100 esboços e pinturas de Caravaggio (1571-1610), pintor barroco italiano cujas telas dramáticas e realistas impuseram um novo padrão à arte ocidental. O material é avaliado em R$ 1,7 bilhão (700 milhões de euros).

O artista teve uma vida turbulenta e morreu em 1610, antes de completar 40 anos. Até agora eram conhecidas apenas cerca de 90 pinturas do artista, mestre no uso do "chiaroscuro" (iluminação de alto contraste, que dá mais vida aos personagens retratados).

Siga o iG Cultura no Twitter

Os historiadores da arte Maurizio Bernardelli Curuz e Adriana Conconi Fedrigolli estão publicando pela Amazon dois e-books em quatro línguas detalhando sua pesquisa e o processo de atribuição das primeiras obras de Caravaggio.

Esboços compõem a maior parte do material, mas também há pinturas. A maioria estava nos arquivos do artista maneirista Simone Peterzano, no castelo Sforzesco, em Milão. Caravaggio foi aluno de Peterzano na adolescência e trabalhou em seu ateliê entre 1584 e 1588.

Os cientistas italianos vasculharam por dois anos as igrejas em Milão e as proximidades de Bérgamo (norte), assim como o Fundo Peterzano, que possui 1,3 mil desenhos do artista e de seus alunos, incluindo Michelangelo Merisi, verdadeiro nome de Caravaggio.

Leia também: Obra de Caravaggio é exibida em Roma após sete meses de restauração

"Nós achávamos que era impossível não haver evidências da atividade de Caravaggio no atelier de um pintor que era muito famoso e procurado na época", explicou Bernardelli Curuz, diretor artístico da Fundação Museu de Brescia. O pesquisador desenvolveu um método para encontrar a "geometria padrão" de Caravaggio e aplicou-a aos desenhos do Fundo Peterzano.

Os peritos encontraram até mesmo um bilhete escrito por Caravaggio, submetido, segundo eles, a um estudo grafológico para confirmar sua autenticidade.

A prefeitura de Milão, proprietária do castelo Sforzesco e do Fundo Peterzano, pediu cautela antes da confirmação da origem das obras. "Ficaríamos muito felizes de ter a confirmação de que isto é verdade. As circunstâncias são estranhas. Nós não fomos informados de nada, descobrimos isso na véspera do lançamento de um ebook de dois peritos que não visitam o castelo há tempos, e é por isso que pedimos cautela", disse à AFP Elena Conenna, porta-voz de cultura da prefeitura de Milão.

"Os desenhos sempre estiveram no mesmo lugar, eles não estão escondidos. O Fundo Peterzano é acessível a todos e são muitos os especialistas que o visitam, mas, de acordo com nossas informações, esses dois especialistas não visitaram o fundo nos últimos dois anos", acrescentou Conenna.

Famoso pela utilização de luz e sombra em seus quadros, como nas pinturas "Baco", "O Jantar de Emaús" e "O Sacrifício de Isaac", Caravaggio foi representado no teatro, cinema e literatura como um dos pintores mais atormentados da história. Sofrendo de sífilis e intoxicação por chumbo, o pintor morreu aos 39 anos, aparentemente de malária, na região de Maremma, no sul da Toscana, região pantanosa naquela época.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.