'Alta gastronomia nunca vai ser evento de massa', diz secretário da Cultura, sobre galinhada na Virada

Carlos Augusto Calil falou a respeito de confusão na distribuição de prato de Alex Atala

Augusto Gomes, iG São Paulo |

AE
Multidão em frente a barraca de Alex Atala na Virada Cultural
Para Carlos Augusto Calil, secretário municipal da Cultura de São Paulo, o principal problema ocorrido durante a oitava edição da Virada Cultural foi a confusão ocorrida durante a distribuição da galinhada preparada pelo premiado chef Alex Atala.

Na madrugada de domingo, milhares de pessoas foram ao Minhocão, onde a barraca havia sido montada, para tentar comer o prato. Como apenas 500 senhas foram distribuídas (a galinhada era gratuita), houve confusão e uma barreira que havia sido colocada no local foi quebrada. Pessoas que estavam na fila ficaram revoltadas.

"Aquilo que era para ser uma coisa complementar, virou uma atração. Por isso reuniu muito mais gente do que esperávamos", disse Calil em entrevista concedida na tarde deste domingo (dia 6). "A alta gastronomia nunca vai ser um evento de massa. Sempre vai ser complicado fazer para muita gente. Aprendemos isso e vamos pensar se faremos e como faremos na próxima Virada."

O coordenador da Virada, José Mauro Gnaspini, disse que "a ideia, desde o início, era fazer algo gratuito. Mas a divulgação foi maior do que imaginávamos, e ele (Atala) foi escolhido o quarto melhor chef do mundo dias antes da Virada."

Leia também: Titãs mostram "Cabeça Dinossauro" na Virada Cultural

Ainda de acordo com Gnaspini, "o problema aconteceu porque quando estávamos começando a montar as barracas, havia tanta gente no Minhocão que tivemos dificuldade para terminar a montagem". Também por causa disso a venda de sopa de cebola do chef Eric Jacquin teria atrasado mais de duas horas (era para ter começado às 2h de domingo).

AE
Sergio Dias, dos Mutantes, em show na Virada Cultural

Shows

A Prefeitura de São Paulo não quis divulgar números oficiais sobre a Virada (deve fazer isso na segunda-feira, dia 7), mas estima que o mesmo número de pessoas que passaram pelo evento em 2011 (4 milhões) seja alcançado pela edição deste ano.

"Pelas previsões iniciais, o show que reuniu o maior público foi o dos Mutantes, mais do que as atrações internacionais", disse Gnaspini, que acredita que a banda de Sergio Dias tenha sido vista, na madrugada de domingo, em palco na av. São João, por cerca de 50 mil pessoas.

O coordenador disse ainda que Suicidal Tendencies, Titãs e Seun Kuti foram outras atrações que tiveram bom público.

A Virada Cultural estende-se até a noite deste domingo em diversos pontos da capital.

    Leia tudo sobre: Virada Cultural

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG