Coreia do Sul diz que "ataque inesperado" causou naufrágio de navio

Seul, 4 mai (EFE).- A Coreia do Sul afirmou nesta terça-feira que um "ataque inesperado" afundou em março um de seus navios de guerra perto da fronteira entre as Coreias, o que aumenta a tensão com seus vizinhos do Norte em meio à enigmática visita do líder do país comunista, Kim Jong-il, à China.

EFE |

Seul, 4 mai (EFE).- A Coreia do Sul afirmou nesta terça-feira que um "ataque inesperado" afundou em março um de seus navios de guerra perto da fronteira entre as Coreias, o que aumenta a tensão com seus vizinhos do Norte em meio à enigmática visita do líder do país comunista, Kim Jong-il, à China. Em reunião sem precedentes da cúpula do Exército sul-coreano presidida pelo chefe de Governo, Lee Myung-bak, o titular da Defesa, Kim Tae-young, afirmou que o afundamento da embarcação "Cheonan" em 26 de março representou um "dia de vergonha". Para Kim, o fato foi um "ataque inesperado" que evidenciou uma falha na segurança nacional, mas evitou culpar diretamente a Coreia do Norte, esperando o encerramento das investigações. Como resposta às críticas aos militares pelos erros do sistema de defesa após o incidente, o presidente sul-coreano prometeu uma reforma da segurança nacional, com a criação de um novo organismo dedicado a isso. Também assegurou que a embarcação "não afundou por um simples acidente", e disse que seu país precisa tomar "medidas claras e firmes" assim que for esclarecida a causa do afundamento. O navio, de 1.200 toneladas, afundou depois que foi partido em dois por uma explosão cujas causas não foram identificadas, provocando a morte de 46 de seus 104 tripulantes. As primeiras investigações mostraram a que a explosão teve origem externa e pode ter sido causada por um torpedo, o que reforçaria a tese de uma possível participação norte-coreana. A reunião extraordinária da cúpula militar sul-coreana coincidiu com a viagem à China de Kim Jong-il, que, segundoa imprensa sul-coreana, chegou segunda-feira à cidade portuária de Dalian de trem e na terça partiria rumo a Pequim para se reunir com o presidente da China, Hu Jintao. EFE ce/fm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG