União Europeia diz que pior crise do século 21 é a climática

Chefe da delegação europeia, Jo Leinen, afirmou que crise financeira vai passar e que a climática ainda está por vir

EFE |

A verdadeira crise do século 21 não é a financeira, mas a decorrente do aquecimento global, advertiu nesta quarta-feira Jo Leinen, chefe da delegação do Parlamento Europeu na Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas realizada em Durban (África do Sul).

"Não há dúvida de que a crise financeira passará, mas a crise climática ainda está por vir", declarou Leinen em entrevista coletiva, na qual a União Europeia (UE) voltou a pedir que se alcance em 2015 um acordo global vinculante para combater a mudança climática.

Leinen lembrou que, na próxima sexta-feira, ocorre em Bruxelas uma cúpula para enfrentar a crise financeira, e expressou o desejo de que a conferência de Durban, que termina também na sexta, seja merecedora da mesma atenção midiática.

Entenda:
Como acontece o aquecimento global
Quem são os maiores emissores
Perguntas e respostas sobre a COP-17


"Todos sabemos que, no ano passado, houve 5% a mais de emissões que em 2009, e que não há perspectivas que isso mude neste ano ou no próximo", assinalou o representante do Parlamento Europeu, ao insistir na urgência das medidas.

Os esforços atuais da comunidade internacional não servirão para manter o aumento das temperaturas médias mundiais daqui até o final de século abaixo dos 2 graus centígrados considerados perigosos, dizem os especialistas.

As principais tarefas da cúpula de Durban são decidir o futuro do Protocolo de Kyoto, único tratado existente sobre o corte de emissões - que expira em 2012 -, e dar início aos trabalhos do Fundo Verde para o Clima que deve ajudar os países menos desenvolvidos a combater a mudança climática.

Veja as notícias do dia:
Dilma diz que renovação de Protocolo de Kyoto é essencial
OMS pede medidas em Durban para evitar 13 milhões de mortes por ano
Comércio marítimo pode ajudar fundo para o clima, diz ONU
Aquecimento global deve 'superar níveis seguros', diz estudo

Kyoto, que entrou em vigor em 2005, impõe metas de cortes de emissões de gases do efeito estufa a 37 nações desenvolvidas, mas não foi ratificado pelos EUA, maiores poluidores do mundo, e isentou Brasil, China e Índia de obrigações por serem consideradas economias em desenvolvimento quando o documento foi assinado em 1997.

Em Durban, os únicos que se mostraram dispostos a pactuar um segundo período de compromisso de Kyoto são os países da União Europeia (UE), enquanto que o Japão, Rússia e Canadá decidiram não renová-lo.

Leinen e a comissária de Meio ambiente da UE, Connie Hedegaard, vincularam nesta quarta-feira a adesão do bloco europeu a um segundo período de Kyoto a um compromisso por parte dos demais países a alcançar um acordo global vinculante sobre corte de emissões, com datas fixadas.

Para Bruxelas, esse novo tratado seja negociado em 2015, algo que ainda não conta com o aval de Washington, que antes exige um esforço similar da China, nem Pequim, que alega a necessidade de as nações ricas que mais poluíram até agora serem as únicas submetidas a compromissos vinculantes.

"Precisamos com urgência que os países assinem um plano que leve a um acordo global vinculante em 2015. O recorrente jogo de pingue-pongue de acusações entre EUA e China já não é aceitável e deve terminar", afirmou Leinen.

O parlamentar europeu também enfatizou a importância que, na cúpula, se inicie o Fundo Verde para o Clima estipulado no ano passado na conferência de Cancún.

A partir de 2020, o Fundo deve proporcionar US$ 100 bilhões anuais aos países mais pobres para enfrentar a mudança climática. Uma parte do financiamento poderia vir de um imposto sobre o transporte marítimo, proposta que figura na minuta em debate entre os delegados dos mais de 190 países presentes em Durban.

    Leia tudo sobre: mudanças climáticascopdurban

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG