OMS pede medidas em Durban para evitar 13 milhões de mortes por ano

De acordo com diretora da Organização, 25% da mortalidade mundial poderiam ser evitadas com investimentos ambientais

EFE |

A Organização Mundial da Saúde (OMS) considerou nesta terça-feira (7) os efeitos da mudança climática como "alerta de saúde pública" e reivindicou ações contra o aquecimento global, que provoca 13 milhões de mortes por ano em todo o mundo.

"Queremos que essas ações façam parte das negociações de Durban", disse a diretora de Saúde Pública e Meio ambiente da OMS, a espanhola María Neira, em entrevista coletiva em Durban, na África do Sul, sede da Cúpula da ONU contra a Mudança Climática (COP17).

Leia mais sobre as negociações:
ONU vê possibilidade de acordo com pessimismo
Organização afirma que 2011 foi o ano de La Niña mais quente
Canadá diz que Protocolo de Kyoto é "coisa do passado"
União Europeia diz que pacto climático é insuficiente
China "não está otimista" sobre negociações climáticas

"Ao todo, 25% da mortalidade e morbidade (taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada) mundial poderiam ser evitadas com investimentos ambientais que introduzissem o conceito de saúde. Esses 25% significam 13 milhões de mortes por ano", alertou a médica.

A OMS enviou uma delegação a Durban para pressionar os Governos a incluírem as questões de saúde em suas políticas contra a mudança climática.

"O aquecimento global não é uma questão que atinge apenas as geleiras, mas também a nossa saúde. A poluição do ar causa 3 milhões de mortes e a mudança climática afeta também o acesso de água potável, com o aumento de doenças como diarreia e cólera", acrescentou María.

Veja os infográficos:
Como acontece o aquecimento global
Quem são os maiores emissores

A diretora de Saúde Pública da OMS alertou ainda sobre o aumento das doenças infecciosas, como a malária e a dengue, devido ao aumento de temperatura.

O Ministério do Meio Ambiente da África do Sul, país anfitrião da COP17, calcula que em seu território aumentará a superfície afetada pela malária em 2050 devido ao aquecimento global, subindo para 7,8 milhões as pessoas expostas ao parasita, das quais 5,2 milhões vivem fora das atuais zonas de risco.

"Se não agirmos agora, estaremos assinando a certidão de óbito da humanidade em 2020", afirmou o médico Hugh Montgomery, do Conselho de Saúde e Clima do Reino Unido, que também participou da entrevista coletiva.

Já o professor Andy Haines, da Escola de Medicina Tropical de Londres, indicou que "as emissões de gases do efeito estufa aumentaram 49% desde 1990".

"Com ações contra a mudança climática, poderemos reduzir significativamente doenças e mortes", acrescentou Haines.

    Leia tudo sobre: mudanças climáticascopsaúde

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG