Mortes por causas climáticas mais do que dobram em 2010, diz ONG

Britânica Oxfam afirma em relatório que 21 mil pessoas morreram nos 9 primeiros meses de 2010 devido a desastres climáticos

Reuters |

AFP
Crianças brincam em praia de Cancun, ao lado de garrafa deixada em protesto pela ONG Oxfam
Pelo menos 21 mil pessoas morreram nos primeiros nove meses deste ano devido a desastres climáticos no mundo, o que representa mais do que o dobro do que em 2009, disse a organização humanitária britânica Oxfam na segunda-feira.

O relatório, lançado no dia em que começa a conferência climática da ONU em Cancún, cita inundações no Paquistão, incêndios e ondas de calor na Rússia e elevação do nível dos mares em Tuvalu (Oceania) como exemplos das consequências funestas da mudança climática.

Não há expectativa de que a conferência de Cancún resulte em um novo tratado climático de cumprimento obrigatório para todos os países. O mais provável é que haja avanços em questões como a liberação de verbas para a mitigação à mudança climática, e que seja formalizada a meta, adotada na conferência de Copenhague-2009, de limitar o aquecimento global a 2 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais.

A Oxfam disse que os dados divulgados mostram que é urgente uma ação rápida. "Os países devem identificar novas formas de arrecadar bilhões de dólares necessários, como impondo tarifas sobre as emissões não-reguladas da aviação e da navegação internacionais, e aceitando uma Taxa de Transações Financeiras sobre os bancos", disse Tim Gore, autor do relatório, em nota.

O relatório completo está disponível (em inglês) no endereço http://www.oxfam.org/en/pressroom/pressrelease/2010-11-29/climate-change-talks-following-record-year-extreme-weather . Há versões também em espanhol e francês.

    Leia tudo sobre: copcancunaquecimento global

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG