Britânica Oxfam afirma em relatório que 21 mil pessoas morreram nos 9 primeiros meses de 2010 devido a desastres climáticos

Crianças brincam em praia de Cancun, ao lado de garrafa deixada em protesto pela ONG Oxfam
AFP
Crianças brincam em praia de Cancun, ao lado de garrafa deixada em protesto pela ONG Oxfam
Pelo menos 21 mil pessoas morreram nos primeiros nove meses deste ano devido a desastres climáticos no mundo, o que representa mais do que o dobro do que em 2009, disse a organização humanitária britânica Oxfam na segunda-feira.

O relatório, lançado no dia em que começa a conferência climática da ONU em Cancún, cita inundações no Paquistão, incêndios e ondas de calor na Rússia e elevação do nível dos mares em Tuvalu (Oceania) como exemplos das consequências funestas da mudança climática.

Não há expectativa de que a conferência de Cancún resulte em um novo tratado climático de cumprimento obrigatório para todos os países. O mais provável é que haja avanços em questões como a liberação de verbas para a mitigação à mudança climática, e que seja formalizada a meta, adotada na conferência de Copenhague-2009, de limitar o aquecimento global a 2 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais.

A Oxfam disse que os dados divulgados mostram que é urgente uma ação rápida. "Os países devem identificar novas formas de arrecadar bilhões de dólares necessários, como impondo tarifas sobre as emissões não-reguladas da aviação e da navegação internacionais, e aceitando uma Taxa de Transações Financeiras sobre os bancos", disse Tim Gore, autor do relatório, em nota.

O relatório completo está disponível (em inglês) no endereço http://www.oxfam.org/en/pressroom/pressrelease/2010-11-29/climate-change-talks-following-record-year-extreme-weather . Há versões também em espanhol e francês.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.