Indígenas se opõem ao comércio de carbono

Representantes das nações indígenas da Bacia Amazônica anunciaram que não vão permitir projetos do REDD em terras indígenas

EFE |

A Coordenação das Organizações Indígenas da Bacia Amazônica (Coica, na sigla em espanhol), que reúne povos de nove países latino-americanos, advertiu nesta quinta-feira (1) que o projeto Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação (REDD) "não passará pelas terras indígenas" se não for estabelecido um novo marco legal.

Representantes das nações indígenas da Bacia Amazônica anunciaram seu posicionamento em entrevista coletiva concedida nesta quinta em Durban, cidade que acolhe a 17ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP-17) de 28 de novembro a 9 de dezembro.

"O REDD precisa ser reestruturado para que o dinheiro vá diretamente para as comunidades indígenas e não para os mercados de carbono", afirmou o equatoriano Juan Carlos Jintiach, coordenador da área de cooperação econômica da Coica.

Leia mais:
Brasil pode largar na frente em acesso a fundos para florestas
Estudo amplia papel das florestas no combate ao aquecimento
Demanda por alimento continua a pressionar florestas, diz estudo
Países pobres podem derrubar florestas caso não recebam ajuda

O programa de Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação (REDD) tem como objetivo monetizar a capacidade de absorção de CO 2 por parte das florestas e servir de instrumento para os países em desenvolvimento na redução de emissões.

A ampliação do programa, que está sendo discutida em Durban, busca acrescentar elementos de proteção da biodiversidade e da gestão de florestas, bem como potencializar seu valor como armazenadora de CO 2 .

A Coica manifestou sua rejeição à "carbonização" das florestas, em referência aos mercados de redução de emissões carbono, e reivindicou um marco legal que reconheça a soberania de suas terras, e que inclua tanto o subsolo como a própria atmosfera.

Veja os infográficos:
Como acontece o aquecimento global
Quem são os maiores emissores

As Nações Unidas consideram que o novo REDD poderá canalizar investimentos dos países desenvolvidos de cerca de US$ 30 bilhões anuais.

Em resposta, as nações indígenas trouxeram a proposta do "REDD Indígena" a Durban, um plano de conservação de florestas no qual os próprios povos são "analistas", afirmou Juan Carlos Jintiach.

"Os povos indígenas não veem a floresta como um escoadouro de carbono. Nós sabemos conservar as florestas, porque para nós sua defesa é a defesa de nossos próprios direitos como povo", acrescentou.

Edwin Vázquez, coordenador-geral da Coica, destacou que 25% da floresta amazônica fica no território de seus povos, e que apenas 2% deste total foi desmatado.

    Leia tudo sobre: mudanças climáticascopmercado de carbonodurbanRedd

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG