Segundo novos vazamentos do site Wikileaks, o país manobrou para que iraniano não fosse nomeado para o IPCC

Os Estados Unidos fizeram manobras diplomáticas em sigilo para impedir a nomeação de um cientista iraniano para uma posição chave no Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), segundo novos vazamentos divulgados pelo site WikiLeaks.

Acompanhe a cobertura completa da COP-16

Os EUA negociaram com o presidente do IPCC, Rajendra Pachauri, assim como diante dos representantes da União Europeia, Argentina e Mali, entre outros países, para impedir a nomeação do médico Mostafa Jafari como um dos dois co-presidentes de um grupo de trabalho chave.

Assim informa nesta terça-feira o jornal britânico The Guardian, segundo o qual o outro co-presidente seria um cientista americano, o professor Christopher Field. Pachauri negou na segunda-feira que tivesse estado em conluio com os EUA, cujas manobras diplomáticas terminaram na nomeação de um candidato argentino no lugar de Jafari.

Com base no vazamento do WikiLeaks, seguindo instruções da então secretária de Estado Condoleezza Rice, a delegação americana diante do PICC estava "trabalhando ativamente" para impedir a escolha de Jafari. Outras filtragens revelam que os EUA trabalharam discretamente para impedir o abastecimento de armas iranianas e sírias ao movimento palestino Hamas e ao Hisbolá libanês. Os vazamentos do Departamento de estado mostram também que Washington advertiu ao Sudão que não autorizasse o envio de armas iranianas, que se supunha acabariam nas mãos do Hamas, durante a ofensiva israelense na Faixa de Gaza.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.