É importante que países não esperem até 2020 para agir, diz ambientalista

Gerente da ONG Conservação Internacional do Brasil comenta proposta da União Europeia para novo acordo de corte de emissões de CO2

BBC Brasil |

selo

Nesta sexta-feira (9), negociações feitas a portas fechadas na reunião das Nações Unidas sobre mudança climática tentavam costurar um acordo que imponha metas de redução de emissões dos gases do efeito estufa para os maiores emissores a partir de 2020.

Entenda:
Como acontece o aquecimento global
Quem são os maiores emissores
Perguntas e respostas sobre a COP-17

A gerente de política ambiental da ONG Conservação Internacional do Brasil, Helena Pavese, afirmou à BBC Brasil que apesar de a data 2020 parecer distante, países deverão agir internamente até lá para estarem prontos a assumir seus compromissos.

O acordo defendido pela União Europeia em Durban, com o apoio de diversos países, entre eles alguns dos mais pobres do planeta, prevê um processo alongado com diversos prazos a serem respeitados pelas partes, que culminaria com um tratado legalmente vinculante em 2020.

Oficialmente, a reunião climática da ONU de 2011 terminaria nesta sexta-feira, mas a expectativa é de que as negociações se arrastem até pelo menos a manhã de sábado.

Leia também:
Em dia final da COP, países caminham para acordo, EUA ainda são incógnita
Brasil aceita metas obrigatórias de corte de emissões
Reunião do clima busca denominador comum para substituir Kyoto
EUA negam pressão para adiar acordo climático global

    Leia tudo sobre: COPdurbanmudanças climáticas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG