Dilma diz que renovação de Protocolo de Kyoto é essencial

Presidenta afirma que decisões tomadas na Conferência do Clima estão "problemáticas"

Reuters |

AE
Uma das agraciadas com o prêmio, Ana Gabriela Person Ramos, com braço pintado, faz protesto e pede que Dilma desista de Belo Monte
O Brasil vê como "essencial" a renovação do Protocolo de Kyoto, acordo para combater as mudanças do clima cuja primeira etapa vence em 2012, e considera "problemáticas" as decisões tomadas na conferência do clima da Organização das Nações Unidas, disse nesta terça-feira a presidente Dilma Rousseff.

Após uma semana de discussões preliminares na conferência do clima em Durban, na África do Sul, sérias dúvidas permanecem sobre o futuro do Protocolo de Kyoto, que expira no fim do próximo ano.

China, Estados Unidos e Índia, os três maiores poluidores mundiais, permanecem como grandes obstáculos para um novo acordo sobre o clima.

Entenda:
Como acontece o aquecimento global
Quem são os maiores emissores
Perguntas e respostas sobre a COP-17

"Nós estamos vendo uma situação um tanto problemática nessa área do ponto de vista das decisões tomadas em Durban. Esperamos que de fato Durban tenha uma decisão mais adequada sobre a questão do clima", disse a presidente durante entrega do prêmio Jovem Cientista, em Brasília.

"Nós gostaríamos que essa 17a conferência do clima aprovasse a segunda rodada do Protocolo de Kyoto, essa é a posição do Brasil e nós consideramos que isso seria essencial", disse.

Leia também:
Em marcha lenta, reunião do clima entra na reta final
China se dispõe a aceitar novo pacto climático, mas EUA não cedem
Brasil e UE se alinham para conseguir novo pacto climático global
Ativistas do Greenpeace são presos em Durban durante protestos

China, EUA e Índia não assumiram compromissos de redução de emissões sob o Protocolo de Kyoto e têm se manifestado contra à adoção de metas obrigatórias para o futuro.

O Brasil adotou na reunião do clima de Copenhague, em 2009, a meta de reduzir entre 36 e 39 por cento as emissões de gases que contribuem com o efeito estufa até 2020.

Outro grande obstáculo para um acordo é o financiamento a países em desenvolvimento para que estes possam se adaptar às mudanças climáticas em meio à crise financeira de países desenvolvidos.

A China apresentou condições para assinar um acordo para o corte de emissões, uma delas exigindo que outros grandes emissores também participassem.

Os EUA assinaram mas não ratificaram Kyoto e exigem que todos os grandes emissores sejam incluídos com exigências iguais em um novo acordo.

Já a Índia disse não estar pronta para um acordo com exigências obrigatórias.

Dilma declarou que, enquanto um acordo climático não é finalizado, o Brasil tomará suas "próprias iniciativas". Na véspera, ela determinou a intensificação na fiscalização contra o desmatamento na Amazônia Legal, que atingiu no período 2010/2011 o menor nível em 23 anos.

    Leia tudo sobre: mudanças climáticascopdurbandilma

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG