China, Índia e Brasil devem cortar emissões de CO2, diz Merkel

Para chanceler alemã, economias cada vez mais importantes não estão contribuindo de forma adequada para meio ambiente

Reuters |

Reuters
Chanceler alemã, Angela Merkel, disse que grandes emissores como China, Índia e Brasil,devem fazer cortes
A chanceler alemã, Angela Merkel, disse nesta quarta-feira que grandes emissores de gases do efeito estufa que fazem parte das economias em rápido crescimento, como China, Índia e Brasil, devem concordar em cortar suas emissões.

Representantes de quase 200 países se reunirão a partir de 28 de novembro na África do Sul para a cúpula da ONU sobre o clima, onde a expectativa é de que apenas medidas modestas sejam tomadas para cortar as emissões de gases do efeito estufa, apesar dos alertas dos cientistas e de que as condições climáticas extremas provavelmente irão se intensificar em decorrência do progressivo aumento na temperatura do planeta.

O Protocolo de Kyoto, um plano da Organização das Nações Unidas que obriga cerca de 40 nações industrializadas a cortar suas emissões, vence no próximo ano.

Leia mais notícias sobre acordo climático:
Brasil tentará consenso para salvar Protocolo de Kyoto em Durban
União Europeia mantém proposta de metas mais rígidas para reduzir emissões
Fundo climático segue emperrado poucos dias antes de cúpula da ONU
Planeta está longe de mitigar mudanças climáticas, alerta estudo
México faz apelo a EUA e China sobre acordo climático
Cancún chega a acordo vago e com pendências
Veja cobertura do iG na Cop-16

As nações ricas estão relutantes em estabelecer grandes metas para os cortes nas emissões após 2012 sem que haja comprometimento das grandes economias em desenvolvimento para cortar as suas emissões. Enquanto isso, os países emergentes querem ver maiores cortes dos países ricos.

A Organização Meteorológica Mundial disse na segunda-feira que os três principais gases de efeito estufa responsáveis pelo aquecimento global atingiram índices recordes em 2010.

Na avaliação de Merkel, as grandes economias em desenvolvimento como China, Índia e Brasil não estão prontas para participar de acordos internacionais obrigatórios para reduzir suas emissões.

"Isso significa que, infelizmente, estamos nos tornando um mundo em que as economias cada vez mais importantes não estão contribuindo de forma adequada para um meio ambiente sustentável", afirmou.

    Leia tudo sobre: BRAZILAMBIENTEMERKELBRASIL

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG