Conflitos no sul do país fazem governo provisório do Quirguistão se reunir

Moscou, 14 mai (EFE).- O Governo provisório do Quirguistão convocou para a tarde desta sexta-feira uma sessão extraordinária devido à situação no sul do país, onde confrontos entre os partidários do presidente derrubado Kurmanbek Bakiev e aliados das novas autoridades deixaram pelo menos 30 feridos.

EFE |

Moscou, 14 mai (EFE).- O Governo provisório do Quirguistão convocou para a tarde desta sexta-feira uma sessão extraordinária devido à situação no sul do país, onde confrontos entre os partidários do presidente derrubado Kurmanbek Bakiev e aliados das novas autoridades deixaram pelo menos 30 feridos. Os confrontos mais intensos foram na cidade de Jalal-Abad, onde representantes do Ministério da Saúde confirmam que mais de 20 pessoas ficaram feridas. "Segundo dados preliminares, a maioria dos feridos apresentam lesões por arma de fogo. Três deles estão em situação extremamente grave", destacou um porta-voz ministerial. Segundo a administração local de Jalal-Abad, os partidários de Bakiev, que estão armados, dispararam para o alto e contra os defensores das autoridades provisórias sem dar opção ao diálogo, informou a agência russa "Interfax". As autoridades provisórias declararam que não planejam empregar a força em Jalal-Abad. "Não devemos adotar medidas de força, queremos conversar e nos entender", declarou Edil Baisalov, chefe da administração do Governo provisório. Na cidade de Osh, também no sul do país, os defensores do Governo provisório recuperaram o controle da sede da administração regional, tomada na quinta-feira pelos partidários de Bakiev, que abandonaram o edifício, embora permaneçam na praça junto ao prédio. O Governo provisório assegurou na véspera que tomará medidas urgentes para restabelecer a normalidade no sul do país, onde os seguidores do presidente deposto tomaram as administrações das regiões de Osh, Jalal-Abad e Batken. O comitê de defesa de Bakiev, que na quinta afirmou que não tem relação com os fatos de Osh, declarou mais tarde que conta no sul com o apoio de 25 mil habitantes que estariam dispostos a se juntar em Jalal-Abad e marchar para o norte para ocupar o Governo provisório. Bakiev foi derrubado no dia 7 de abril após sangrentos enfrentamentos de suas forças de segurança com manifestantes da oposição na capital quirguiz, Biskek. Posteriormente se refugiou no exterior, primeiro no Cazaquistão e a seguir em Belarus. As autoridades bielo-russas, que resistem a estudar o pedido de extradição de Bakiev enviada pelo Quirguistão, retiraram do país seus diplomatas "por razões de segurança" após denúncia de que recebem ameaças por parte de elementos radicais quirguizes. EFE egw/fm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG