Papa pede que países ricos assumam crise ambiental

O papa Bento 16 afirmou hoje que os países industrializados deveriam reconhecer sua responsabilidade pela crise ambiental e mostrar solidariedade aos países em desenvolvimento. Não podemos mais seguir sem uma verdadeira mudança de perspectiva que vá resultar em novas formas de vida, disse durante a mensagem anual da Igreja Católica pelo Dia da Mundial da Paz.

Agência Estado |

O papa também afirmou que os países emergentes não estão dispensados de suas responsabilidades sobre a crise ambiental, e que é necessária uma ação internacionalmente coordenada.

Bento 16 pediu ações urgentes para proteger o meio ambiente. Ele alertou que as mudanças climáticas e catástrofes naturais são uma ameaça à humanidade. "Essas questões têm um impacto profundo no exercícios dos direitos humanos, como o direito à vida, alimentação, saúde e desenvolvimento".

O papa disse que os problemas econômicos, sociais e ambientais do mundo são crises morais que exigem que a humanidade repense sua forma de viver. Ele pediu aos países desenvolvidos que adotem "estilos de vida mais sóbrios", com adoção de políticas energéticas mais eficientes, pesquisas para o uso da energia solar, manejo de florestas e cuidados com o lixo.

A Igreja Católica Romana comemora o Dia Mundial da Paz no dia 1º de janeiro, mas a mensagem do papa aos líderes mundiais é divulgada pelo Vaticano antecipadamente. A mensagem deste ano foi lançada enquanto líderes mundiais estão chegando para conversas sobre clima em Copenhague com o objetivo de chegar a um acordo para diminuir as emissões dos gases de efeito estufa que causam o aquecimento global.

Papa verde

A proteção ambiental é um tema próximo a Bento 16 e lhe rendeu o apelido de "papa verde" em razão dos pedidos frequentes para salvar o planeta.

Durante seu papado, o Vaticano tem tomado medidas para aumentar sua sustentabilidade. Isso inclui a participação de projetos de reflorestamento para compensar emissões de CO2, e a instalação de placas solares no telhado do principal auditório.

Segundo Bento 16, a pressão por ações é maior do que nunca "em razão dos sinais de uma crescente crise sobre a qual eu seria irresponsável se não levasse seriamente", afirmou.

    Leia tudo sobre: copenhague

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG